22 agosto 2020

Ministro Edson Fachin deu 72 horas para que o CNMP explique os 42 adiamentos do julgamento do Power Point de Deltan Dallagnol, em ação de Lula.


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin deu 72 horas para que o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) explique os adiamentos do julgamento de Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná, em ação do ex-presidente Lula. A defesa do petista recorreu ao STF na sexta-feira 21, para garantir que o CNMP julgue Dallagnol na terça-feira 25. Lula interpela a demora do conselho em analisar a ação, apresentada há 4 anos. O prazo para análise acaba em setembro. Conforme a defesa do ex-presidente, o tema já foi retirado da pauta 42 vezes.


Lula quer que Dallagnol seja punido por “abuso de poder”. O motivo é uma apresentação em PowerPointde 2016, em que o ex-presidente é representado pelo coordenador da Lava Jato como chefe de uma organização criminosa. Relator do pedido de Lula no Supremo, Fachin determinou que “em vista das alegações trazidas pelo requerente Lula, solicitem-se informações da requerida Advocacia-Geral da União, no prazo de 72 horas (setenta e duas horas), contadas em dias corridos”.


Além de ser alvo do petista, Dallagnol também está na mira dos senadores Renan Calheiros e Kátia Abreu.


Informações Revista Oeste.