04 maio 2020

Não estou indiferente ao que está acontecendo. Estou apenas observando mais, falando menos e só aparecendo quando acredito ser necessário!

Certamente todos os que me acompanha perceberam que durante estes últimos dias estou mais recluso, falando quase nada, aparecendo algumas poucas vezes em minhas redes sociais, principalmente nos grupos que participo. Ainda assim, mesmo nos grupos de Whatsapp, minhas aparições também por lá, estão mais escassas.

Tenho observado mais do que comentado. E, durante essa crise pandêmica, estou mais observador do que falante (ou escrevente, como queiram). Algumas pessoas de meu circulo de contato e de amizade tem insistido em ligações, mensagens, ou mandando escritos e até áudios estranhando meu "sumiço" e querendo minhas opiniões sobre essa ou aquela situação, seja no município que amo e moro, sejam nos municípios vizinhos, de onde meu olhar sempre esteve atento. Ou querendo ainda de alguma forma minha presença naquelas discussões do momento envolvendo a presidência de nosso país, a governabilidade de nosso estado, ou uma fala qualquer sobre as lambanças politiqueiras de nossa região. É muito justo que queiram minha atenção e eu sinceramente agradeço a lembrança!

Cansado de muita coisa, mas reparando meus caminhos, refletindo no que é preciso no caminhar.

Mas o fato é que de alguma forma estou me sentindo menos disposto, dia a dia, à comentar o que se passa, não por qualquer outra coisa senão, querendo mesmo me afastar. É mais ou menos como se meu estado de espírito no momento me fizesse querer afastamento de tanta coisa e de pessoas vazias, que me cerca, constantemente. Não podendo generalizar claro, já que há pessoas maravilhosas que gosto de trocar ideias sobre vários assuntos, muitos mais ligados à política em seu verdadeiro sentido. Destas, quero-as sempre por perto!

Sentindo essa necessidade e aproveitando do momento, aqui estou, voltando em linhas extras para registrar apenas o que me vem à visão diariamente. O que tenho visto tando dos que estão há anos em busca de continuação, ou recolocação no cargos públicos, e até mesmo naqueles que estão colocando os pés, numa "primeira vez" nos movimentos políticos é nada mais nada menos que o retorno de "mais do mesmo". Ou seja, parece que a roda viva continua girando, já que nada muda. Mesmo aqui em Barreiros.

Essas continuações terminam por perder o nosso interesse, vendo em tudo mais politicagem do que política. O que muito me decepciona! É como se meu "tesão" fosse embora. Se é que eu poderia usar essa palavra sem ferir os supostos puritanos nessa publicação. Infelizmente é brochante ver que o que a gente busca, de melhorias verdadeiras para nossa cidade não tem passado de mero interesse, de pano de fundo, para interesses pessoais e politiqueiros de pequenos grupos que querem o poder pelo poder, não pelo bem coletivo.

Me sinto verdadeiramente desestimulado e esgotado em minhas forças. Vejo meu povo e minha gente, muitos que sequer me conhece, passarem necessidades atrozes em pleno século XXI, tendo que mendigar para se alimentarem, enquanto que milhões são despejados à partir dos cofres públicos, saindo pelos esgotos e ralos da cidade, sem controle e sem fiscalização. Alias, fiscalização é uma utopia tendo em vista os atuais legisladores partícipes dos esquemas de caminhos escusos das verbas públicas.

Minha mentalidade é socialista, progressista, e acima de tudo, espiritista. Portanto, vejo o mundo de uma ótica um tanto diferente que a grande maioria. Tal visão, claro, não me faz melhor que ninguém. Faz-me ser apenas diferente. E isso certamente causa espanto para muitas pessoas. Há quem queira-me um blogueiro aguerrido que xingue fulando, cicrano por simplesmente xingar. Sem objetivo. Ou há aqueles que queiram pagar-me pra publicar essa ou aquela matéria á seu respeito pensando encontrar em mim mais um dos tantos mercenários no mundo blogger. Algumas propostas que me form feitas (não lhes cito nomes), quem já tentou quebrou a cara. As relações são cortadas no mesmo instante. Não entendo e nem desejo participar desse jogo infeliz, amoedado, embora reconheça que o mundo gira em torno da compra de favores. O que não é o meu caso. Favor retribui-se com outro favor. Não se compra! Aprendi com minha saudosa mãe.

Portanto, não estranhem meu possível silêncio. Estou e continuarei observando, esperando esse momento turbulento passar para, quem sabe, voltar á falar, sempre do jeito que gosto, por acreditar necessário, não e nunca, pelo que desejam ou queiram.

É lamentável a gente ver o que se passa e pouco ou nada fazer para que a triste realidade de uma cidade mude. Ou vocês que me acompanham acham que estou alheio ao que acontece? Infelizmente, posso dizer assim, estou e sou ciente de muita coisa que rola todos os dias. E há momentos que me sinto enojado por saber das coisas que fico sabendo, mesmo que (Graças á Deus) não seja eu o autor dessas crimes contra nossa comunidade.

Criminosos, com vários processos nas costas muitos já sentenciados são os que comandam os gastos públicos, e outros, que lá atrás também manipularam fraudulentamente as verbas de nossa cidade voltam ao cenário público apresentando-se como salvadores da pátria, sendo aplaudidos por uma parcela, ainda que pequena, que dizem-se contra a corrupção e ladroagem, ladeados com os mesmos sangue-sugas de nossa gente.

Sem contar ainda uma parcela de religiosos que tendo à frente o pastoreio de uma comunidade religiosa agem sem escrúpulos, usando a fé cega de muitos como escudo para executarem seus planos ambiciosos.

A gente vai vendo uma coisinha aqui, outra ali, e vai distanciando-se por saber que cada qual tem seu momento, ainda que a força de muitos séculos de aprendizados individuais.

No entanto, é forçoso admitir que nossa luta, é necessária, tendo apenas que mudar de estratégia, para que o bem seja empossado como verdade, e que a mentira com seus jogos maus sejam execrados, á base de lutas, ainda que inglórias, e esforços dardejantes que o tempo se encarregará de fazer acontecer.