16 janeiro 2020

Liderados pelo PSB de Paulo Câmara, em Pernambuco o PT e o PSL poderão andar juntos nas eleições municipais de 2020.

Durante toda a eleição de 2018 o PSL de Luciano Bivar, que elegeu Jair Messias Bolsonaro à Presidente travaou uma luta ferrenha contra os partidos de esquerda e de centro esquerda, principalmente contra o PSB de Paulo Câmara e Geraldo Júlio, e o PT de Humberto Costa e Marília Arraes. Naquele momento, todo e qualquer partido que não fosse de direita ou da extrema direita eram considerados "corja de bandidos". Já os militantes de tais partidos eram tachados como apoiadores de bandidos ou idólatras de ladão, etc... Até os dias de hoje ainda tem gente que não se fala por defenderem as legendas políticas adversárias. Uma verdadeira onda de ódio fora instalada, e que ainda perdura.

Para defender a bandeira do 17 do Partido Social Liberal, muita gente armou-se contra os considerados "inimigos" que militavam nos partidos de esquerda ou que não defendiam as ideologias de Bolsonaro.

As eleições passaram. Bolsonaro foi eleito. E assim que se apossou do cargo de Presidente ele deu um "pito" no partido e nos que cegamente lhes defendia, saindo do PSL no ano seguinte, 2019, e agora está tentando formar um novo partido, o Aliança. No entanto, por mais que queiram fechar os olhos o atual Presidente, apesar de todoos os arrumadinhos, foi eleito pela legenda de Luciano Bivar. E essa marca não tem, de maneira alguma, como apagarem da história.

Já para as eleições deste ano de 2020, a grande novidade no mercado político é que o PSL poderá andar junto com o PT e o PSB em diversas cidades do estado. A bem da verdade, não é apenas no estado pernambucano que tal "fenômeno" poderá acontecer. Outros estados também estão entrando nessa onda de um projeto macabro.

Em Pernambuco, sob o comando do Senador Humberto Costa e a atual composição que faz a diretoria do Partidos dos Tabalhadores, o PT pernambucano está andando à sombra do PSB há anos, como subserviente do partido de Paulo Câmara, perdendo mais uma vez em nosso estado a pouca credibiliade de que ainda goza.

A prova dessa subserviência é tanta que Marilia Arraes, mais um vez, está sendo rifada para as eleições deste ano para atender aos interesses e caprichos das lideranças do PT pernambucano, recebendo as sobras da mesa do governo PSB.

O que antes representava guerra entre militantes do PSL que elegeu Bolsonaro e os militantes dos partidos da esquerda, principalmente do PT e do PSB, agora poderá representar o ponto para uma possível aliança. Situação que envergonha tais siglas. O que é lamentável!

Para de alguma forma se safar Luciano Bivar diz que quem está tentando aliança com o PSL é o PSB, o grupo do atual Governo de pernambuco. Atuais congressistas da sigla de Luciano, como é o caso da Joyce Hasselman, não querem que tal acordo seja concretizado.


Todavia, á ser fechada essa aliança, é de envergonhar tanto os militantes do PT, do PSB, do PSL ou demais partidos que fazem de tudo por causa do poder que estarão juntos nessa palenlinha.

Já aqueles que brigaram com amigos, familiares, colegas de trabalho, amigos de escola, etc, como vão olhar para a cara dos "adversários" das eleições de 2018, nas eleições de 2020?