21 maio 2018

Armando Monteiro, de papel principal à mero coadjuvante, nas eleições para governador 2018.

Tudo indica que Armando Monteiro do PTB já não está mais com aquele fôlego de antes, politicamente falando, Isso pelo menos é o que revelam as pesquisas de intenções de voto desses últimos tempos.

Sua carreira, no estado de Pernambuco, parece estar começando à declinar. E, em meio à tudo isso, ele que já teve papel de destaque na política estadual agora começará à esquivar-se cada vez mais, ou ser esquivado, podendo servir apenas como um possível papel de decoração estadual.

Claro que todas as coligações políticas são feitas com vistas à juntar votos para determinados lados. E assim, o que apresenta-se mais forte, tende à pegar uma segunda posição e formar uma chapa, em busca do cargo almejado.


No ano de 2014, Armando era a principal vitrine do PTB de Pernambuco, e em todas as pesquisas iniciais tava na frente de seus adversários, principalmente contra Paulo Câmara, do PSB. No entanto, após a morte de Eduardo Campos, os socialistas ganharam vantagem às custas do morto, conquistando votos à partir do emocional fraco dos pernambucanos que deixaram-se levar pela boa propaganda que os marqueteiros do PSB fizeram, ganhando a eleição com uma diferença enorme.

Agora em 2018, Armando que não tava lá com muita vantagem, começou à perder pontos, contra seus oponentes, dentre eles, a pré-candidata do PT de Pernambuco, Marília Arraes.

Em pesquisa recente, Marilia Arraes chegou à empatar, tecnicamente, com Paulo Câmara, estando estes à frente do próprio Armando, apesar de ainda estarem dentro da margem de erro, conforme a pesquisa que pode ser consultada clicando aqui.

Neste mês de Mario, o partido dos Tucanos de Pernambuco quer lançar nome próprio e deseja que Armando saia do palco, deixando de ser o principal para ser coadjuvante na carreira eleitoral, ocupando o cargo de vice-governador.

O tempo tá passando e as ondas estão mudando.

Enquanto alguns caem, outros estacionam, enquanto quem sobe é Marília Arraes, que enfrenta até mesmo a aversão de alguns poucos petistas estaduais, mas vem ganhando força com uma militância que pedem por sua candidatura ao cargo de governadora do estado de Pernambuco.