31 agosto 2015

Grupo Coletivo Jovem de Barreiros popõe salários de R$ 900,00 para Vereadores e de R$ 5.000,00 (teto máxímo) para o Prefeito.

Devido as diversas mobilizações que estão ocorrendo no país, e que se deram início no Estado de Santa Catarina, a favor da redução salarial dos vereadores e prefeitos, nós, do Coletivo Jovem dos Barreiros, viemos também expôr nossa opinião e fazer uma reflexão sobre a temática. Dessa forma, vamos começar na diferenciação entre dois conceitos que permeia a sociedade, e que até então era visto como uma unidade: Servidor Público x Agente Político.
Servidor Público: são ocupantes de cargo de provimento efetivo (concurso público) ou cargo em comissão (cargo comissionado), regidos pela Lei nº 8.112/90 e são passíveis de responsabilização administrativa, apurada mediante processo administrativo disciplinar ou sindicância de rito punitivo. Servidor Público é o indivíduo que, por mérito, (através de concurso público ou indicação profissional), exerce uma função profissional/empregatícia no Estado, para a sociedade.
Agente Político: é o indivíduo que não se submete ao processo administrativo disciplinar e, através de eleições, detém cargo administrativo ou legislativo por um determinado período de tempo. São os prefeitos, os vereadores, o presidente e os deputados.
Nesse sentido, o Agente Político (ou simplesmente Político) é um indivíduo que, voluntariamente, dispõe do seu tempo para prestar serviços à sociedade, sendo este eleito pela maioria da população, e para exercer o respectivo trabalho ganha subsídios (favor, não confundir Subsídio com Salário. Subsídio corresponde a um valor monetário; uma simples ajuda de custo) dados pela mesma sociedade a quem este Agente Político presta seu serviço.
Ou seja, os cidadãos desta sociedade elegem um Agente Político (no caso do prefeito) ou um grupo de Agentes Políticos (no caso dos vereadores) para que eles administrem, fiscalizam e criem leis para o benefício da sociedade que os elegeram. O vínculo que estes Agentes Políticos têm com o Estado não é de natureza profissional, mas de natureza política (favor, não confundir Política com Partido Político ou interesses individuais).
Nessa perspectiva, vemos que as coisas não funcionam assim. Os Políticos sem nenhum mérito (pois não fazem esforço mental, e na maioria das vezes não possuem estudo qualificado para tal função), torna-se, e torna o seu cargo, como sendo empragatício - e mesmo que fosse empregatício, ainda assim, nós como sociedade é quem seríamos os empregadores deles, (os patrões deles), e os políticos seriam nossos empregados.
Nesse contexto, sabemos que as coisas se inverteram e mudaram absurdamente de posição: nos deparamos e enxergamos uma certa submissão, uma grave inferioridade dos cidadãos em relação a estes Políticos. De certo essa atitude vem de outros tempos; é uma questão histórica e, assim sendo, é impossível e injusto culpar a população por esse agravo.
Por décadas a sociedade, principalmente as classes mais baixas, vem sofrendo com este tipo de complexo de inferioridade, colocando os Políticos em pedestais; fazendo deles realezas... Mas, eis que, os Políticos não passam de meros voluntários a serviço da população; Políticos estes que recebem subsídios exorbitantes (muita grana, velho!) para não realizarem o que se dispuseram a realizar: obras e leis que beneficiam a todos da sociedade.
No entanto, ainda é tempo de se configurar este quadro. Aos poucos a sociedade vem acordando para essas calamidades... Não devemos olhar os Políticos como seres superiores a nós... E também não devemos olhá-los como seres inferiores, mas sim olhar com igualdade, a fim de que estes Agente Políticos que se dispõem a administrar e fiscalizar a cidade, de fato o faça, e de forma honesta e justa. E para essa mudança começar, é mais que justo que, os subsídios recebidos por eles sejam de R$ 900,00 para Vereadores e de R$ 5.000,00 para o Prefeito.
Devemos lembrar que é necessário que todos, absolutamente todos, os barreirenses queiram e acreditem nisso, que essa proposta vai se consolidar. Porque não somos piores que ninguém, e se uma cidade de 40.000 habitantes no sul do país conseguiu, uma cidade de 40.000 habitantes no nordeste do país também consegue. 
Vamos à luta!