O conceito de cada um da beleza.

Num outro artigo que trouxe aqui no inicio deste blog eu falava do conceito da beleza. Fui muito bem comentado e em particularmente, seja no msn ou em mensagens particulares, para os que já me conhecem, recebi tanto elogios, quanto algumas críticas. Mas, é claro que isso não me incomoda. Muito pelo contrário, fiquei bastante feliz por que sei que as vezes alguns assuntos são considerados tabus para uns, e mesmo assim, desperta atenção de uma boa maioria, que felizmente raciocína.

Como voces estão vendo a foto que trago aqui é de uma linda mulher. Uma mulher gordinha.

Eu sou homem, e nos meus gratos trinta e tres anos já passei por varios relacionamentos. Muitos deles como diz a música do Martinho da Vila, "mulheres cabeças e desiquilibradas, mulheres confusas de guerra e de paz..." Ja me relacionei com gurías magérrimas, com outras em forma de violão, como se fala popularmente, e também com algumas gordinhas. E sinceramente, não sei se eu sou estranho de alguns outros homens, mas amei cada uma delas especialmente. E não olhei para as formas, muito pelo contrário. Alguma coisa no olhar delas e no jeito, no trato, entre outros me chamavam a atenção. Para mim, toda mulher tem um brilho especial que faz com que uma seja essencialmente diferente da outra. E é nisso que existe, é claro, a individualidade. Mas, sinceramente, não adianta uma mulher ser magra, ou gordinha, ser ou não sex, se ela não tiver uma alta estima que a nivele. Sim! Desculpe a sinceridade, mas tem muitas mulheres que simplesmente, as vezes dá vontade de chegar e dar uns solavancos.

Namorei uma guria que era linda, mas por conta de um relacionamento desastroso, ao qual ela passou nada mais nada menos que doze anos, com o pai de seus dois filhos, nem mesmo se olhava no espelho. Na primeira vez que fui em sua casa e precisei me ver, perguntei pelo espelho, e ela baixou a cabeça dizendo que não tinha e que não se via a mais de cinco anos por conta de seu ultimo relacionamento. Naquele momento deixei passar, apesar de para mim isso ter sido um choque. Mesmo assim, começamos uma namoro, nos envolvemos e tomei uma decisão. Eu precisava fazer com que essa mulher se olhasse no espelho e visse a mulher especial que tem dentro de sí mesma através de seus olhos. Passados tres meses, eis que surge uma nova mulher. Até o nome mudou. Antes todo mundo a chamavam de nominhos, meio que para justificar que ela era gordinha... Passei a chama-la carinhosamente de Van. Hoje essa mulhet é linda por dentro e por fora.  O que muito me orgulha! Não por mim, mas por ver que essa mulher superou traumas tremendos, tendo como fonte principal a ideia de se amar a si mesma.

Enquanto escrevia essas linhas conversava com duas amigas, uma aqui mesmo em Curitiba-Pr e outra em Santos-Sp e para as mesmas fiz duas perguntas;
- Qual sua altura e peso?
- Você se sente feliz com seu corpo?

As respostas foram dadas. Lógico que vou preservar os nomes. Uma tem 1,57 e pesa 110 Kls. A outra tem 1.60 e pesa 85 kls. Sinceramente até pensei que as mesmas não me iam responder. Uma vez que chega a ser até mesmo falta de educação um cara perguntar idade e peso a uma mulher, por mais gordinha que seja. Mas, sinceramente eu sou do estio que busco um certo jeitinho para fazer certas perguntas e procuro não ofender ninguém. Até por que não gostaria de ser atendido. No entanto o que me leva a tratar desse assunto aqui hoje é tão somente por que se de um lado a mídea mostra as mulheres magérrimas, levando até mesmo algumas a terem verdadeiros surtos psicóticos, para emagrecerem, umas chegando a tomar toneladas de medicamentos, fazendo com que as industrias farmaceuticas "engordem" mais e mais suas contas bancárias. Por outro lado vemos uma legião de mulheres nos dias de hoje, que felizmente estão mostrando a diferença. Estão levantando a bandeira da auto estima e dizendo para sí mesmas; estou feliz do jeito que sou!

Gente, não estou aqui fazendo apologia a obesidade. Muito pelo contrário. Estou querendo dizer que algumas mulheres deviam buscar mais dentro de si a sua verdadeira identidade. Sua essencia real. Sem conceitos bobos. Sem essa de dizer que tenho que emagrecer por que a modelo tal é assim, ou por que o meu marido pode buscar uma outra, ou por que a novela tal está mostrando que as modelos ou as mulheres tem que ser magras. Caramba, mulheres pelo amor de Deus deixem de ser "maria vai com as outras".

Uma coisa que sinceramente eu vejo nas ruas, bem como entre conversa de amigos é que quando uma gordinha, passa, com aquele vestidinho solto, ou aquela calça justinha, uma blusinha mostrando discretamente seu decote. Todos nós, homens, olhamos mais do que depressa. E ficamos babando. Sim. Verdade. Nós homens, babamos quando algumas gordinhas sabem como se vestir e se mostram, acima de tudo sexis. E ser sex não tem nada a ver com ser exageradas. Tem muitas mulheres que vemos nas ruas de Curitiba, por exemplo que usam cada roupinha que sinceramente, é mais do que estranho. As vezes nossos olhares de homens são de repúdio. E o que eu acho, é que nós queremos ver, ainda que na rua, comportamento com sensualidade. Mas, o que é mais interessante nisso é que todas as mulheres sejam elas quais forem, se amam, em todas as idades. Uma vez que o amor próprio é mais do que uma arma. É uma ferramenta de auto poder.

O que eu gostaria de deixar bem claro aqui é que a mulher verdadeira, a real de fato está dentro delas e que precisam sair de dentro para fora. Ou seja, amem-se! E sejam felizes na forma e no jeito que são.

Edmilson Soares em Curitiba-Pr, 24 de Setembro de 2010.