23 outubro 2021

Nota Oficial sobre a ocupação 8 de Março



Nós, dirigentes e militantes do Partido Socialismo e Liberdade em Pernambuco, saudamos a vitória das trabalhadoras e dos trabalhadores da Ocupação 8 de Março que estão na luta pelo direito básico à moradia. São mais de 300 famílias, em sua maioria mulheres e crianças, que desde 04 de setembro estão vivendo em um terreno abandonado localizado na zona sul da cidade do Recife.

A área ocupada não cumpria nenhuma função social há mais de 30 anos e acumulava quase meio milhão em débitos fiscais municipais e federais. Apesar das várias tentativas de abrir negociação com os poderes municipal e estadual, ambos estavam, até o dia de ontem, silentes aos apelos de seu povo que, além de sofrer as consequências de uma pandemia sem precedentes, sofre também há anos com a falta de uma política pública eficaz de habitação em Pernambuco.

Assim, após atos de rua e de intervenção da sede da Prefeitura da Cidade do Recife-PCR coordenados pelo Movimento das Trabalhadoras e dos Trabalhadores Sem Teto-MTST/PE. O intuito era dar mais visibilidade ao descaso com a ocupação e iniciar uma greve de fome até que o poder municipal se dispusesse a olhar pelas famílias, finalmente, a Secretaria de Desenvolvimento Social da PCR emitiu um documento afirmando que irá realizar vistoria na Ocupação 08 de Março para avaliar as condições com o intuito do atendimento pelo CadÚnico.

Além dessa resposta da Prefeitura, também no dia de ontem, houve a decisão liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal-STF, Edson Fachin, que suspendeu a reintegração de posse da 08 de Março.

Importante colocar que sem a atuação de nossos parlamentares municipais, Dani Portela e Ivan Moraes, bem como das JUNTAS Codeputadas, a situação de desrespeito poderia permanecer e o despejo dessas centenas de famílias seria a única ação firme do poder público.

Declaramos aqui também a nossa total solidariedade às camaradas, mulheres negras, Isis Thayzi, Coordenadora Estadual do MTST e à codeputada pela mandata das JUNTAS, Jô Cavalcanti, que mesmo exercendo o papel como parlamentar eleita pelo povo pernambucano, sofreram violência nos atos de ontem. Ambas foram agredidas pela Guarda Municipal do Recife, ação essa que repudiamos com veemência e que, infelizmente, é bastante recorrente e umas das marcas dos governos do PSB.

Enquanto PSOL-PE nos cabe evidenciar a urgente necessidade de implantação e execução de políticas públicas habitacionais voltadas para todo o povo pernambucano. São centenas de ocupações e movimentos sociais ao longo do nosso território que só reforçam essa importância.

Seguimos fortes, atentas e atentos aos desmandos da oligarquia dos Campos que comanda, até o momento, o Estado de Pernambuco e sua capital e estaremos sempre ao lado das causas do povo e da classe trabalhadora.