20 julho 2015

Padre Gusmão faz duras críticas à gestão de Carlinhos da Pedreira em missa na Igreja do Rosário, nos 155 anos de Barreiros.

Padre Gusmão em sua residência (Fotos de meu arquivo pessoal)
A cidade de Barreiros completou ontem dia 19 de julho, 155 anos de emancipação política. Infelizmente, não tivemos uma festa à altura desta cidade guerreira que já passou por enchentes como a dos anos 2000, 2010 e 2011.

Para alguns moradores a festividade preparada pela Secretaria de Turismo e a Prefeitura Municipal que aconteceu neste domingo estava aquém do que nós cidadãos barreirenses, merecemos.

Ontem à noite aconteceu uma missa solene na Capela Nossa Senhora do Rosário, em praça que leva o mesmo nome da Igreja e o pároco da cidade, Padre J. Gusmão, em sua fala em momento solene, não suportando o que está se dando em nosso município, e vendo o quanto estamos atrasados, em se falando de progresso e administração, afirmou que estamos regredindo. Uma das preocupações do Padre foi em citação ao recente fechamento da GRE Litoral Sul.

A Secretaria de Educação de Pernambuco e o Governo do Estado, sob a administração de Paulo Câmara (PSB), que por sinal é do mesmo grupo político do atual Prefeito Carlinhos da Pedreira (PSB), anunciou e está concluindo o fechamento da GRE Litoral Sul de Barreiros.

Para o Padre Gusmão isso representa um retrocesso.

- "Parece que ao invés de evoluir nós estamos regredindo. Já repararam?" Disse o Padre na Igreja do Rosário, ontem à noite, que completou que "nós não temos em Barreiros uma força política capaz de resolver isso? Não tem ninguém que faça nada? Onde nós vamos parar?"

O Padre Gusmão ainda disse que conhece a cidade de Barreiros como a palma de sua mão, já que mora na cidade à mais de 20 anos, exercendo seu sacerdócio neste município, em todos esses anos.

Na ocasião de sua fala estavam presentes o Prefeito, Vice-Prefeito, e demais familiares de Carlinhos e Léo da Pedreira, que, segundo dizem, ficaram sem chão e sem ter o que fazer, nem para onde ir, já que a fala do Padre dirigia-se à falta de pulso na administração atual.

Para os fiéis que estavam presentes no momento do evento, o Padre Gusmão disse parte do que estava na garganta do povo e que devia ser falado em momento oportuno. E ninguém melhor do que o Pároco para falar de assuntos que ele conhece bem neste município.

Já para alguns seguidores da atual administração, o Padre não devia ter dito o que disse em uma missa como aquela, e que ele estaria desrespeitando a solenidade.