20 dezembro 2018

Prefeituras de Sirinhaém, Rio Formoso e Tamandaré divulgam uma mesma nota de esclarecimento, dizendo que não foram alvo da Operação Deadline que aconteceu ontem, dia 19 de dezembro.

No dia de ontem, 19 de Dezembro, as Prefeituras de Sirinhaém, Rio Formoso e Tamandaré, tendo como prefeitos France Hacker, Izabel Hacker e Sergio Hacker foram alvos da Operação Deadline, que em português significa Data Limite, em que se investiga possível fraude de medicamentos vencidos e compra irregular, além de um suposto esquema que já teria desviado cerca de 12 milhões de reais dos cofres públicos. 

Segundo denúncia esse esquema já funciona há mais de cinco anos. Coincidência ou não, quem está à frente dessas prefeituras, há anos, é a Família Hacker que tem se mantido no poder nessa religião do litoral sul de Pernambuco.

Depois da repercussão que se deu nessas três cidades e em toda região por conta da Operação Deadline com a presença da Polícia Federal, da Controladoria Geral da União, da Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária e da Receita Federal do Brasil nesses três municípios a Assessoria de Imprensa (que pelo que se percebe trabalha para as três prefeituras) postou uma mesma nota para as três dizendo em cada uma delas que não foram alvos da Operação Deadline. 

Não tiveram a coragem sequer de mudar as palavras. São as mesmas. A única coisa que muda nas notas, conforme se mostra abaixo, são os timbres das devidas prefeituras, mas o texto é o mesmo.


É importante frisar que até o fechamento dessa publicação nenhum dos órgãos que estão executando a operação acima citada se pronunciou ainda sobre o relatório publicamente. Mas, antecipadamente os três prefeitos, sob nota, dizem-se inocentes de um caso ainda está sob investigação, não sendo comprovado que sim ou que não.

Na nota, eles apresentam-se como se já tivessem um veredicto. Mas, nem mesmo a Policia Federal tem a palavra final sobre este assunto.

Munícipes das cidades de Tamandaré, Rio Formoso e Sirinhaém estranharam que uma mesma nota de esclarecimento fosse publicada para as três prefeituras e estão cobrando nas redes sociais alguma informação consistente não mais da Prefeitura, mas dos órgãos fiscalizadores, para terem a certeza de qual dos lados está com a verdade ou mentindo.