02 novembro 2018

Mesmo perdendo a eleição deste ano PT e grupos de esquerda saíram fortalecidos


Desde que o PT e grupos de esquerda conquistaram a primeira eleição, quando Lula foi eleito presidente do país que há declaradamente uma guerra constante dos que perderam quatro eleições, contra a democracia do país.

Durante quatro mandatos houve, claro, erros, muitos, mas também é inegável que aconteceram diversos acertos nos governos petistas.

Infelizmente, há que se fazer duras críticas à lideranças petistas por seus péssimos e infelizes posicionamentos.

Dentro do PT também aconteceram diversos atos de corrupção por parte de diversos integrantes. Mas, claro, segundo todos os apontamentos, aconteceram atos piores nos demais outros partidos, tanto de esquerda quanto de direita. Porém, cegamente, todos os que hoje tem se posicionado contra o PT só enxergam corrupção no Partido dos Trabalhadores. É como se todos os outros partidos fossem inocentes. É como se não houvesse nenhum ato impuro ou sujo no PSDB, no MDB, no Democratas, no PTB, no PSL, no PR, no PV, entre tantos outros das mais de 30 siglas partidárias em nosso país.

Depois de perder a eleição de 2014, Aécio Neves e grupos ligados à sua sigla partidária fizeram todo o estardalhaço, batendo o pé como meninos amarelos jurando que tirariam Dilma Rousseff do poder. Fizeram de tudo e conseguiram, finalmente seus intentos. Mas, para que isso viesse à acontecer eles tiveram como pano de fundo principal as midias como Globo e suas organizações, Tv's abertas e fechadas, jornais impressos e online, além de aliados nas blogosfera e redes sociais.

Cientes de que pessoas comuns, grande maioria, só são capazes de lerem em textos curtos, memes e imagens sem informações verdadeiras a guerra midiática começou à bombardear todos os celulares á partir das redes sociais.

A guerra contra, verdadeiramente, tem surtido efeito. E foi assim que nas mesmas eleições de 2014 viu-se no Brasil uma quebra de braço em que o Partido dos Trabalhadores foi quase dizimada do país. A bancada petista perdeu deputados, senadores, governadores. O número de representantes em todos os estados foi quase à zero.

Mas ainda não era suficiente para os contrários ao Partido dos Trabalhadores. Tinham que tirar Dilma do poder executivo. Conseguiram. Tinham que à todo custo tirar Lula do caminho das eleições, do contrário ele venceria mais essa eleição desse ano. Não tendo outra alternativa, prenderam-o sem provas num dos processos absurdos.

Lula tinha e "merecia" ser visto por aqueles facilmente teleguiados como um ladrão de primeira escala. O chefe da facção "mais criminosa" de nosso país. Era preciso que as pessoas acreditassem imbecilmente que todo aquele trabalho de elevação do país à sexta economia mundial fosse vista como um nada qualquer.

Chegaram até à pedir a morte de Lula. E nessa onda, muitos cristãos além de compartilharem esse pedido de assassinato, indo de encontro às suas crenças cristãs, ainda apelava até em orações que Lula, mesmo inocente, pagasse por atos que comprovadamente ele não cometeu.

O fanatismo político e religioso, finalmente entrou para o século vinte e um como uma das marcas principais de intolerância e exacerbação. Lamentavelmente, vimos diversas correntes religiosas, até mesmo no meio espirita, gritarem que estavam "lutando contra a corrupção", quando à bem da verdade, sua luta não era à favor de um pais. Apenas um partido é que estava (e ainda está) sendo guerreada por ações de políticos verdadeiramente desonestos e corruptos em busca do poder.

Ainda assim, no segundo tempo do jogo final das eleições desse ano o que pensava ser o fim do PT ou dos movimentos de esquerda em nosso país, tem sido, à bem da verdade a união das esquerda em busca de objetivos autenticamente democráticos.

O Pt e a esquerda não foi dilacerada, como eles esperavam. Antes, houve um fortalecimento desses movimentos podendo transformar-se todos os grupos num único bloco daqui para a frente. Apesar de ficar em segunda posição política, o Partido dos Trabalhadores que antes estava lutando quase sozinho, conseguiu atrair para junto de si outras lideranças que, por não aceitarem o retrocesso, lutaram em busca de seguridade para todos os brasileiros, sejam eles de direita ou de esquerda.

Forçoso é que se aceite que o PT e grupos de esquerda poderão convergir-se para a reformulação das siglas para um bloco fortalecido, podendo ser um entrave contra a intolerância, o retrocesso e a dizimação de direitos populares conquistados á dura custa com movimentos esquerdistas, que a extrema direita tem pretensão de acabara partir de 2019, com traços fortes, já começados desde 2016, contra o povo.

Nesse momento de trevas pesadas que se avolumam sobre o Brasil com uma eleição ganha à partir de mentiras espalhadas por redes sociais, por palavras de ódio, de racismo, de homofobia, de raiva e mesquinharias contra o povo brasileiro, por parte de candidatos que foram eleitos com a força da corrupção e do nazismo fascista, instalados em nosso país com o acolhimento, infelizmente de boa parte dos cristãos de nosso estado federativo será preciso estar mais alerta hoje do que nunca.

Não podemos aceitar o retrocesso e para isso preciso será que nos armemos de coragem contra os covardes que agem maliciosa e maldosamente contra o cidadão que ainda espera dias melhores para o Brasil.

O momento, conforme eu disse em outra publicação, é de trevas que pairam em nosso país com a eleição do fascismo. (leia aqui)