03 setembro 2018

PERNAMBUCO tem a pior situação fiscal do NORDESTE, denuncia Silvio Costa Filho

O governador Paulo Câmara entra na reta final do seu governo numa situação fiscal ainda pior, afirma Silvio Costa Filho
O atraso no pagamento a fornecedores e prestadores de serviço tem sido uma marca do governo Paulo Câmara. Apenas no primeiro semestre deste ano o Estado já acumula uma dívida de mais de R$ 1,2 bilhão com seus fornecedores. Desse montante, R$ 478 milhões ainda se referem a débitos de 2017 e exercícios anteriores, e os R$ 722 milhões restantes dizem respeito a dívidas já liquidadas este ano, mas ainda não quitadas.
Desde que assumiu o governo, a atual gestão vem ampliando, ano a ano, as dívidas roladas de um exercício para o outro. “Paulo recebeu o governo com 376 mil de restos a pagar e fechou seu primeiro ano rolando R$ 1,03 bilhão de 2015 para 2016. De 2016 para 2017, foram R$ 1,21 bilhão; e do ano passado para este foram deixados R$ 1,46 milhões em dívidas”, detalha o deputado Silvio Costa Filho (PRB), líder da Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe).
O governador Paulo Câmara entra na reta final do seu governo numa situação fiscal ainda pior. Atualmente, o Estado ocupa a terceira pior colocação do país quando são considerados em conjunto as despesas com pessoal, endividamento e investimentos, na frente apenas de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, estados que tem um histórico de crise fiscal.
Pernambuco posicionou-se em 18º em gastos com pessoal, utilizando 48,9% da Receita Corrente Líquida (RCL); 17º em endividamento, com 60,9% da RCL, 16º em investimentos, utilizando apenas 5,32% da receita. Por isso, Pernambuco ficou classificado como o Estado com 22ª pior situação fiscal do país, dentre os entes analisados e o pior do Nordeste. Apenas dois Estados obtiveram posições médias piores: Rio Grande do Sul (18,50) e Minas Gerais (21,25).
Enquanto a retórica do governador Paulo Câmara e do seu partido era de que o PT quebrou o Brasil e que o governo do Estado fez o seu dever de casa e manteve o equilíbrio fiscal, os números mostram o contrário, o que tem reflexo direto nos serviços prestados à população, assim como na baixa taxa de investimento apresentada nos últimos anos. Em 2017, por exemplo, Pernambuco investiu apenas 5,3% da sua receita corrente líquida, enquanto Ceará investiu 12,3%, o Piauí 10,5% e a Bahia 10,4%. Foi o terceiro pior resultado da Região Nordeste”, pontuou Silvio.
Ranking da Situação Fiscal dos Estados
UFRanking GeralPessoal / RCLDívida / RCLInvestimentos / RCLRes. Primário / RCL
ValorPosiçãoValorPosiçãoValorPosiçãoValorPosição
AP142,11%27,44%22,77%2212,03%1
CE242,38%345,82%1111,96%12,89%12
ES343,30%517,31%33,96%197,09%4
PB447,41%1328,93%46,16%96,40%6
PA545,08%96,40%16,18%80,18%17
GO639,29%192,03%206,04%117,01%5
MT747,77%1530,31%66,67%72,61%13
RO843,32%648,48%125,70%143,99%10
AM947,78%1631,52%74,90%1710,58%2
MA1042,38%451,33%149,40%3-3,42%22
PR1145,13%1029,34%55,49%150,93%15
BA1243,54%857,52%158,29%5-1,06%19
SP1343,42%7170,93%225,81%136,02%7
AL1448,62%1795,26%218,59%45,28%8
TO1554,98%2338,01%95,91%124,64%9
DF1646,07%1133,78%83,31%210,92%16
RR1764,73%2441,49%103,86%209,65%3
SC1849,72%2051,10%137,95%6-2,17%21
AC1953,86%2271,83%186,15%103,74%11
MS2048,98%1975,79%199,88%2-4,63%24
SE2147,65%1457,99%164,53%18-3,72%23
PE2248,96%1860,96%175,32%16-1,36%20
RS2346,54%12218,86%241,90%241,17%14
MG2450,00%21186,35%232,37%23-0,88%18
Fonte: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro (Siconfi).
* Os dados de RJ, RN e PI não haviam sido inseridos no Siconfi até o dia 07/02/2018.
Publicado no portal oficial de Silvio Costa Filho.