11 setembro 2018

Lula é Haddad e Haddad é Lula, e Manuela é a vice do PT


Finalmente, hoje dia 11 de setembro, depois da decisão do TSE, cumpriu-se o prazo para mudança de nome de chapa, e felizmente os nomes dos candidatos à chapa do PT são, como já esperado, Fernando Haddad para presidente e Manuela D'avila para o cargo de vice. Uma decisão que, à meu ver, demorou tempo de mais para ser consolidada.

Mas, não podemos dizer que a nacional do PT e todos os demais baixaram a cabeça com o golpe, muito pelo contrário, eles mostraram coragem e perseverança, contra os golpistas, até o final, e ainda estão lutando para que a democracia seja restaurada em nosso país.

Todos sabíamos que seriam executados todos os meios legais e ilegais para tirar Lula da corrida eleitoral. Ele candidato não tem quem esteja à sua frente, não apenas nas pesquisas, mas principalmente nos resultados finais, com certeza de voto certo e garantido, esse ano já para 1º turno, sem sombra de dúvidas. E tal possibilidade, não está nos planos dos anti-populistas. Não esperavam mais uma vez perder nas urnas como já vem repetidas vezes lhes acontecendo. Em todas as pesquisas, o líder absoluto da preferência nacional era Luiz Inácio Lula da Silva. Todos os institutos de pesquisas, até mesmo os contrários à Lula, o apontavam à frente dos demais candidatos com uma enorme margem de diferença.

Agora, a união do povo brasileiro que esperava Lula candidato, deve-se concentrar nos nomes indicados pelo líder petista. Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, em parceria com Manuela D'avila, à partir de agora estarão definitivamente na boca do povo que quer ser feliz de novo e que deseja o retorno da democracia em nosso país.

Esquecer de Lula? Jamais! Haja vista que agora, por honra à ele e pelo bem de nosso país, é preciso que se faça muito mais ainda. Necessário que se reforce ainda mais a união em torno de uma única bandeira. Só assim, poderemos derrotar os golpistas que ainda estão empestados em nosso país, em todos os poderes institucionais.

Petistas e esquerdistas terão o nobre trabalho de atuar em uma frente única de restauração e transformação, conforme eu falei em postagem anterior, (clique aqui), já que compete ao PT a difícil missão de reconstruir o Brasil.