05 maio 2018

Moro com suas mentiras "heroicas" à favor de seu grupo, e seu ódio apaixonado por Lula.


Até quanto e até onde alguém, em nome de seus compromissos financeiros estaria disposto à manter uma mentira contra aquele ou aquela que seria seu desafeto, principalmente político?

Você acredita que um magistrado não poderia ou não deveria mentir? Se você diz que um juiz não é mentiroso, sinto informar-lhe que está muito enganado. A única justiça que não tem falha, de forma alguma, é a divina. A humana é falha desde seus principais fundamento. Lógico que não podemos generalizar. Há quem tenha caráter, apesar dos pesares, e há quem zombe de pessoas de vida ilibada, honestas.

Ao que consta, nestes últimos tempos, o suposto herói Sérgio Moro, está sendo desmascarado dia à dia por conta de sua paixão voluptuosa para com Lula, ao ponto de decretar sua prisão, baseando-se em indícios não comprovados.

A sentença de Moro contra Lula tá mais para aquelas acusações de fofoqueiros que espalha um boato ao ponto de ele mesmo, de tanto repetir sua mentira, acreditar em suas próprias falsas palavras.

Aproveitando-se de uma massa de manobra fácil de ser manipulada, que acredita em todo e qualquer tipo de informação, sem condição e nem coragem para analisar todos os fatos à luz da razão, que são dados à acreditar em alarmes até de fim de mundo, etc...

No caso dessa paixão cega de Moro por Lula, todas as barreiras da imbecilidade são aceitas como verdade, sem de maneira alguma aceitar o contraditório sobre o mesmo fato. 

Um dos exemplos é o caso do juiz não aceitar hoje o testemunho de Rodrigo Tacla Durán, que por sinal, tem material suficiente para colocar o próprio juiz atrás das grades. Para se esquivar de suas verdades o juizeco de Curitiba chegou à dizer que Duran é mentiroso e fantasioso (confira aqui), tentando passar a ideia de que tudo o que ele disser não deve ser levado à credito, já que 90% das falas dele poderia servir de provas não contra Lula, e sim, contra o magistrado apaixonado pelo ex-presidente.

O contraditório está no mesmo fato de que Moro aceita todas as falácias de condenados por corrupção, que pode mentir à vontade contra Lula, mas não aceitar que alguém coloque em dúvida seus julgamentos e condenações.

Mais de 70 testemunhas inocentaram Lula, no entanto, as falas dessas pessoas não são aceitas como verdade para aquele que tem em mente, obsessivamente, a infeliz ideia de condenar, como está fazendo, mesmo que tenha que mentir, manipular, falsificar ou aceitar falsificações estrambólicas contra o objeto de sua paixão.

Moro aceita tudo o que vier de fofoca contra Luiz Inácio, mas não aceita as verdades que lhes são mostradas pelo simples prazer de que o seu desejo não é fazer justiça com honra, e sim, usar da justiça para tripudiar em cima de seu desafeto.

Há ainda que considerar o fato de que possivelmente o mesmo juiz pode estar sendo manipulado e usado para efetuar um crime contra aquele que, na condição de presidente da república foi aprovado com 87% em sua gestão brasileira.

Moro tem sido desmascarado. O herói não é mais aceito como tal, principalmente por quem antes era seu seguidor ferrenho e acreditava que ele estava fazendo justiça. Hoje o juiz da comarca de Curitiba, responsável pela Operação Lava Jato é um dos mais desacreditados não apenas no Brasil, como também em diversos países, por verem nele um juiz de exceção que julga segundo seus pontos de vistas, à base das fofocas, nunca por pontos verdadeiros, tendo apenas em mente condenar aquele que poderá ser, novamente, presidente deste país.

Aceitar notas fiscais frias para condenar alguém baseado em seus achismos, mostra à todos sua falta de caráter. E isso é lamentável, por demais em nosso estado maior.

Condenar alguém por acreditar que uma compra e uma reforma existiu, sem nem ter provado, baseado em falas de delatores que precisavam reduzir suas penas e/ou serem livres de suas prisões por corrupção. Em suma, acreditar numa mentira sabendo que é mentira, conhecendo a mentira, é ser tão mentiroso quanto quem a profere.

O "herói" curitibano vive uma paixão pelo ex-presidente Lula, à tal ponto, que chega à espantar. Parece até aqueles homens em fins de casamento, quando a mulher não mais o quer, e louco de ciúmes, passa à acreditar em todas as mentiras que lhe dizem, ou que lhe vem à cabeça dizendo-se "chifrado" até pelo vento, ou pela sombra de quem passar perto da pessoa, falsamente amada.

As mentiras "heroicas" de Moro e de seu grupo estão sendo mostradas, dia e noite, não pela mídia oficial, que à tudo esconde, mas pelas redes sociais e mídias alternativas que tem desmascarado, por exemplo o enredo em torno do tríplex que o juiz sempre quis que fosse do Lula, e que nunca foi, condenando-o por algo que não é seu.

Paixão é um sentimento perigoso, que começa com uma emoção de suposto amor, passado deste para a raiva, revolta, depressão e repressão, e se não tomar cuidado pode-se chegar à morte daquela pessoa que um dia foi amada e desejada por quem não tem equilibradas as fibras de seu coração.

Aliás, hoje, se não se tomar cuidado, Moro e seus aliados moristas, podem estar na surdina tramando a morte de Lula. Não que sua morte venha à acontecer por suas mãos, e sim por aqueles que tão cegos, quanto o apaixonado juiz, acreditam que ainda se mata por amor, podendo matar para "honrar" o juiz que está sendo desonrado por ele mesmo nacional e internacionalmente.