21 julho 2017

Há nepotismo na administração barreirense, de novo?


Todos nós, barreirenses, sabemos que Elimário Farias, é o grande fantoche de João Baleia, bem como do filho deste último, Thomaz Baleia. Assim como sabemos, igualmente, que pela primeira vez na história de nossa cidade temos três prefeitos e três primeiras damas em um só mandato. O que já levanta, pelo menos, algumas "conversas à parte, que igualmente é lamentável, mas não é ilegal.

Porém, uma das situações que mais está marcando nossa cidade, nestes ultimos sete meses é que, repetindo o que se deu em São José da Coroa Grande, quando João Baleia colocou todos os seus familiares, na admistração de sua esposa, Eliete Gomes, para trabalhar naquele município, em Barreiros, mais uma vez, não está sendo diferente.

E como aqui, quem manda é João, ao invés do Prefeito, o que encontramos são os familiares do vice-prefeito e do secretário de governo, Thomaz e João, respectivamente, empossados em cargos públicos em mais uma prática de nepotismo, à olho nú, sem quem tome-se qualquer providência. Pelo visto, o Ministério Público Local, parece não saber quem é quem na atual gestão.

Cunhado, mãe, filho, parentes e aderentes, fazem a festa na gestão BaleiMario (junção de Jão Baleia com Elimário).

Até empresas da família estão usando e abusando dos cofres públicos. Porém, conforme um blogueiro pago de São José da Coroa Grande costuma dizer em seu "ponto de vista": "são apenas cargos de confiança".

E sob essa desculpa, segue-se o repeteco do que essa atual gestão já vem fazendo por onde passa, há anos, colocando desde funcionários funcionais à "fantasmas" ao dispor de cargos públicos que deveriam servir à população barreirense, não apenas à familiares do ex-prefeito, da ex-prefeita e do vice atual.

O mais interessante é que essa saga, repete-se, e parece não ter fim. Na gestão anterior, período em que o atual Prefeito era vereador, houve, por parte de Elimário, critica (ainda que pequena) com relação aos parentes de Carlinhos que "usavam a prefeitura como cabide familiar", conforme suas palavras à frente da Tribuna em vídeo que tenho guardado, quando gravava as falas dos vereadores na casa de Nilo Morais. Hoje, engolindo as próprias palavras sob a força de ser um Prefeito sem voz, como era na administração anterior, ele aceita, calado, o que seu Secretário de Governo, impõe.

Os vereadores, por sinal, que deveriam falar e bradar alto contra o que vem acontecendo na cidade, parecem estar, pelo menos a grande maioria, no bolso do peixe grande, já que, mesmo vendo, nada falam, nada cobram, e esmorecem. A grande pergunta é: por que e para quê foram eleitos, então? Apenas para saber de seus soldos no final do mês, de salários que são pagos religiosamente?

Sem moral na câmara de vereadores, e sem representatividade também na Prefeitura, os barreirenses são obrigados à observar, muitos passivos, à forma de como uma baleia abocanha os cofres públicos, em detrimento de uma população inteira, como a nossa.

Para o Ministério Público ou para os Vereadores, se estivessem ou resolverem comprometerem-se com seus cargos, não seria, como não é, difícil pesquisar as secretarias que são e estão tomadas por familiares, parentes e aderentes. Como, possivelmente, não há interesse em se fazer a coisa certa, o tempo vai passando, e nossos impostos pagando essa farra familiar com o dinheiro público barreirense.

O atual Prefeito, repete assim, os mesmos passos de seu antecessor, quando o mesmo usava a máquina pública para "empregar" todos os seus familiares, e nada podia falar, já que, sem voz, tinha que obedecer ordens. Nada mais que isso.