10 outubro 2016

Centro de Reciclagem de Barreiros está semi-abandonado e prestes à fechar as portas.

Galpão de Triagem do Centro de Reciclagem
(Imagem Ed Soares)

A Associação de Catadores de Materiais Recicláveis Bom Jesus vem passando por sérios problemas e é preciso que alguma ação seja feita de maneira à que não fechem as portas.

Conforme sabemos depois de anos vivendo no lixão, os catadores foram contemplados pelo Projeto Recicla com um prédio novo inaugurado no dia 17 de junho deste ano, em pareceria com a Secretaria de Meio Ambiente do Estado de Pernambuco e Sustentabilidade, financiado pela Petroquíma de Pernambuco, Refinaria Abreu e Lima, tendo como um dos principais financiadores o BNDES. O órgão executor foi o ITEP .

Integrante do Projeto em Barreiros diz que não existe mais recursos para continuar e dos 20, apenas quatro pessoas estão ativos
(Imagem Ed Soares)

Considerado um projeto inovador e arrojado para a cidade de Barreiros, tal iniciativa tende à beneficiar a população com recolhimento de materiais recicláveis que deixam de ir para os aterros e/ou lixões clandestinos, além dos membros da Associação acima citados, dando-lhes uma oportunidade digna de trabalho.

Porém, por alguma razão, um projeto de tal importância está passando por sérios problemas, principalmente de manutenção. Segundo informações, atualmente o projeto corre sério risco de fechar as portas à menos de seis meses de fundação do Centro de Reciclagem. A Prefeitura Municipal pagava uma Bolsa Ambiental, uma Cesta Básica e um Aluguel Social para os integrantes inseridos no projeto, totalizando 12 beneficiados diretos. Há cerca de quatro meses o projeto parou de ser atendido. O resultado foi que em pouco tempo os integrantes do projeto voltaram à atuar no lixão, de Barreiros/São José da Coroa Grande, por falta de recursos.

Inicialmente o projeto funcionava às mil maravilhas, chegando à ter cerca de 20 integrantes. Com perda da ajuda e alguns outros benefícios cortados, atualmente apenas quatro, dos vinte, atuam no Centro de Reciclagem.

"Antes tínhamos cerca de 20 companheiros, hoje temos apenas quatro integrantes, O pessoal voltou ao lixão para sobreviverem", afirma José Augusto, como é conhecido.
(Imagem Ed Soares)
Um caminhão, que era fornecido pela Prefeitura Municipal de Barreiros, há cerca de três meses, parou de atuar, dificultando a coleta.

O local hoje não tem vigilância e nem veículos para recolhimento dos materiais em locais distantes e sem pessoal.

Há cerca de 20 dias o local foi invadido por bandidos e materiais importantes foram furtados como por exemplo, uma bomba d'água e outros utensílios por falta de vigilância no prédio.

Também, segundo informações, sem recursos e impossibilitados de trabalhar, a maioria do pessoal que antes trabalhava no Galpão realizando a coleta de recicláveis, voltaram para o lixão de Barreiros/São José da Coroa Grande, abandonando o projeto.

Existe um sério risco de fechamento do local. Sem alternativas, é provável que o Centro de Reciclável passe para as mãos de quaisquer outros órgãos, ou quem sabem, em último caso, para a iniciativa privada.

Catadores dizem-se abandonados e afirmam correrem risco de perder o projeto para a iniciativa privada
(Imagem Ed Soares)