16 setembro 2016

Beto da Sensação ganha força nas ruas e nas redes sociais e avança para fazer uma mudança de verdade em Barreiros.


O crescimento e o volume visto de Beto da Sensação por estes últimos dias tem incomodado seu opositores políticos em Barreiros, que não esperavam de maneira alguma que a campanha do 14 fosse ganhar volume.

Acreditando repetir-se o quadro do ano de 2012, quando Beto disputava a eleição contra Carlinhos da Pedreira, Roque Estrela e Xeque Juventino os oposicionistas pensavam que o representante PTB não teria grupo, não teria candidatos à vereadores, e não teria militância nas ruas. Ledo engano!

Dia à dia cresce mais e mais o grupo do 14 que tem feito, pelas ruas e bairros de nossa cidade uma das campanhas mais bonitas que já podemos ver nestes últimos anos.

Inicialmente tentaram bloquear todos os lados para que Beto da Sensação não tivesse voz. Compraram a maioria dos carros de sons, compraram à peso de ouro praticamente o locutor que era "a cara da campanha do 14" transformando-o em mais uma ficha do 40. Adquiriram por um alto preço uma "equipe de som" para que o pessoal do PTB não tivesse notoriedade, enfim, tentaram, tentaram, tentaram...


Enquanto eles tentaram jogar de tudo para que Beto da Sensação não aparecesse, este, no entanto, com uma maneira de trabalhar que tem causado admiração aos seus opositores com seu grupo do 14 em Barreiros vem crescendo, crescendo e crescendo.

No inicio de caminhada diária da caravana do 14 você vai encontrando, à partir do comitê, concentrado no centro da cidade, próximo ao antigo maguari, um verdadeiro exército vermelho.

No final de cada tarde, de onde estiverem, eles saem todos juntos, de bandeiras erguidas, cantando, dançando e brincando, pelas ruas de Barreiros, até o comitê.


Seu opositores políticos, agora, preocupados dizem que "não tem mais jeito, eles (do 14) cresceram e vão ganhar essa eleição".

Há quem ainda perguntem "aonde foi que erramos?". Outros, de pés no chão, dizem que "não foi onde erramos, é onde eles estão acertando, que nós não percebemos!".