31 julho 2018

Observando as conversas políticas nas redes sociais.

Falar de políticos, principalmente de candidatos, em ano eleitoral, é um tipo de discurso que parece não funcionar muito. E nos tempos atuais é que a coisa pega mesmo. No geral, um ano há um ano e meio antes das eleições de fato já percebe-se os cenários de todos os lados e já vamos encontrando os simpatizantes de fulano, sicrano ou beltrano, como dizia minha velha mãe. 

Pouco ou quase nada se pode fazer ou falar que convença a pessoa á mudar de ideia. Ele ou ela, podem ter razões fundamentais para continuar acreditando em seu pretenso candidato.

Mas isso não é um ponto de todo negativo. Muito pelo contrário. Quando ele ou ela estão imbuídos de sentimentos reais, é infrutífera a conversa. Afinal, todos temos nossos pontos de vistas que poderão refutar uma outra ideia.

O duro mesmo é quando encontramos pessoas imbuídas de investimentos (comprados ou compradas) que usam as redes sociais para contar mentiras e desconversar sobre fulano ou sicrano, por estarem sendo pagos, com altos valores, corruptamente, para isso. Na verdade é nojento ver tais ações de tais pessoas. Vergonhoso, até! Mas, ainda assim, o campo das conversas políticas à partir das redes sociais ainda é uma aventura intrigante de se ver e ler, todos os dias.

Encontramos de tudo, graças aos "técnicos políticos do Facebook". Há uma multidão de pessoas certas de seus posicionamentos que adoram "palpitar", acreditando que a verdade política está, unicamente do lado daqueles, que ele ou ela, defendem. As demais pessoas, dos outros grupos, não são importantes e nem merecem serem lidos ou dado atenção, por serem de esquerda ou de direita. Lembro de já ter falado nessas mesmas linhas aqui, em outro artigo.

"Se ele for seguidor de Bolsonaro ou de Lula, estão bloqueados de nossas vistas. Afinal, são pensamentos diferentes dos meus, não merecem minha atenção. É perda de tempo"

Mas, isso não é novidade. Não é de agora que as opiniões são travadas e tratadas antagonicamente por quem está em determinado lado ideológico.

Mas, claro, estou aqui me referindo aos que apostam nos seus candidatos por ideologia política, não estou me referindo, e nem quero falar, daqueles ratos da política que ganham para falar bem ou mau do candidato favorável ou contrário, respectivamente.

As redes sociais, todas elas, estão repletas de opinadores de plantão que acreditam mudar o mundo, expondo suas ideias favoráveis à seus preferidos, em contra partida às ideias e pensamentos de seus adversários políticos.

Nos meses que se seguirão a disputa de "bons conversadores" que tentarão convencer à partir das redes sociais serão muito mais frequentes do que possamos imaginar. Todos eles terão seus pontos de vistas, suas certezas, e suas mazelas à serem jogadas nas nuvens sociais, acreditando, sempre, que seus candidatos são melhores que os outros.

Você, que é de esquerda, ou você que é de direita, ou aquele que é do centrão, e eu, todos nós, vamos usar o melhor de nossas falas para convencer, e até brigar por nossos escolhidos.

Mas, e eles, o que esperam ou pensam de nós, depois que ganharem seus cargos, tão concorridos? Já parou para pensar nisso com aquela cautela precisa? 

Ultimamente, estou observando as conversas políticas nas redes sociais, e esperando que as coisas se "aclarem" mais nas mentes de todos nós, independente dos lados que estamos e dos partidos e políticos que estamos defendendo.