05 abril 2018

O que muda com o resultado de 6 votos contra 5 sobre aceitação ou não de um habeas corpus?

Quem é que não sabe que desde que o golpe contra o Brasil e contra a democracia foi impetrado que não há mais seguridade alguma em nosso país?

O brasileiro de hoje que está esperando, apelando e até orando em suas igrejas pela condenação de Lula é aquele mesmo que em diversas situações, saiu ás ruas, em protesto contra direitos que estavam sendo-lhes negados pelas autoridades constituídas?

O manifestante virtual que não sai de suas poltronas hoje é aquele que lutava contra a ditadura em tempos idos, levando pauladas, socos e ponta-pés dos milicos que atuavam à favor dos poderosos de época e posicionava-se contra o povo, mesmo que este povo fosse seu irmão, amigo, vizinho, pai ou mãe?

Não espere lealdade de quem não tem honra! Essa é uma regra que vale para todos os quadros de nossa vida, não importando quem ou qual seja.

Há fatores que estão sendo vivenciados nos dias atuais que vão ser melhor entendidos com o passar dos tempos. Nossos filhos olharão para nossa história dos dias de hoje e se enojarão do que está sendo feito, depois de tantas conquistas em nosso país.

Nossa constituição está sendo rasgada e enlameada. Da mesma sorte que a Bíblia, graças à alguns religiosos está perdendo seu valor, em função de alguns exemplos que mancham as marchas de bons cristãos de outros tempos.

Dizem que todo boato tem um fundo de verdade. É a mesma coisa que dizer que toda fofoca tem um pouquinho de veracidade. Mas será que devemos levar à serio os boatos e as fofocas ao ponto de condenar alguém?

Nos tempos de agora as pessoas fazem seus "altos julgamentos" aceitando, não as provas, mas os indícios, ou como disse certo juiz, as "convicções". Estas, por sinal, estão mais em voga nos dias de hoje do que qualquer outra "sentença".

Todas as mentiras jogadas contra seus desafetos, baseadas em convicções, são "provas" que não se provam, mas que são as aceitas.

Lula, o ex-presidente de uma nação que saiu da estagnação à sexta economia mundial, atingindo picos de desenvolvimento ao ponto de ter sido listada entre os países emergentes, é hoje visto como o vilão dos vilões.

O que se esperar? Verdade em quem não a tem? Honra nos que desconhecem o que tal palavra significa?

Como entender que nosso estado federativo liberte criminosos e prenda inocentes, sob presunção?

Abre-se à valas, liberdade à condenados, por parcimônia e "familiaridade" com criminosos comprovadamente criminosos.

Fecha-se as portas, por presunção de culpa, aqueles que não tiveram coletadas as provas. Mas, baseados nas convicções...

Outro dia e escrevi um texto que deixou horrorizados alguns seguidores da bancada de direita em que fiz comparações à pessoas importantes em nosso país e fora dele, de cidadãos que acreditavam que um dia teríamos direitos e possibilidades iguais. Muitos que lutaram por bandeiras semelhantes foram presos, torturados ou mortos. Alguns foram banidos por motivos fúteis.

Qual a culpa que eles tinham? No geral eram pessoas ligadas á movimentos de esquerda que queriam e lutavam por possibilidades iguais. No entanto, segundo a elite de direita que ainda existe também em nosso tempo, esses lutadores eram baderneiros, arruaceiros, malandros, bandidos, criminosos. Tais pessoas, populares, não mereciam sentar à mesma mesa que eram reservadas aos de direita.

A segregação racial, social, politica e religiosa é uma desgraça que ainda persiste na mente imbecil dos que se acreditam raças puras.

Uma mulher no poder foi um dos maiores crimes que a esquerda conseguiu fazer no Brasil.

Ter um nordestino, sindicalista, à frente de uma nação como a nossa, não foi uma "!comida fácil de engolir" para os que se julgaram por anos, donos de nosso país.

Ver, depois, que um homem comum, sem diploma, conseguiu elevar nossa situação de meros desconhecidos à senhores e senhoras emergentes, era um verdadeiro absurdo. Inadmissível!

Saber que este mesmo homem, comum, poderia voltar para reorganizar tudo o que foi desfeito em poucos anos, depois de mais de uma década era algo impossível de se aceitar!

Era preciso tirar esse inoportuno homem, ser abjeto, que não fazia parte da elite podre. Mas, para fazer isso seria preciso organizar um verdadeiro exército de manipuladores e manipulados, de maneira à ir introjetando na mente da massa imberbe e intolerante o veneno necessário do ódio, ao ponto de se fazer acreditável qualquer mentira e fake news que fossem jogadas nas mídias oficiais ou nas redes sociais contratadas para este fim.

E assim, o plano traçado à partir de um esquema chamado golpe, vem dando certo, até os dias atuais.

6 votos contra 5 não é muita coisa, haja vista que os destinos de um homem, ligado à milhões fora decidido numa conversa, preliminar, em que juristas fazem o belo espetáculo em laudas longas para passar à ideia de "cristalinidade teatral" antecipadamente acordadas para continuar o esquema, que ainda não tem fim. Outros passos ainda estão à caminho, numa marcha de destruição de uma constituição adolescente, facilmente manejada à bel prazer.