04 abril 2018

Base Nacional Comum Curricular poderá deixar milhões de estudantes do ensino médio e fundamental sem estudos nas escolas públicas do país.

O novo ensino médio brasileiro, instituído pelo atual presidente Michel Temar do MDB e que está circulando pela grande mídia como uma suposta revolução no mercado educacional é, à bem da verdade, uma grande furada, representando um verdadeiro retrocesso na educação no Brasil.

Mas o que é BNCC? - A Base Nacional Comum Curricular é um documento que visa nortear o que é ensinado nas escolas do Brasil inteiro, englobando todas as fases da educação básica, desde a Educação Infantil até o final do Ensino Médio.

O que dizem alguns do que poderia acontecer com o ensino médio? Há quem afirme, principalmente aqueles que estão atuando à favor dessa proposta, que o país estaria dando um passo revolucionário em termos educacionais, visando o aprimoramento e o desenvolvimento ensino em nosso país nas escolas publicas de todos os estados.

Mas, o que está por trás desses contos de "Alice e Temer no país das maravilhas", que dista da nossa realidade brasileira?

Você está sabendo que milhões de estudantes brasileiros que cursam o ensino médio poderão ficar sem aulas e fora das escolas por não terem condições de bancar seus estudos no ensino público, que serão pagos?

Pois é... uma das propostas dessa nova modalidade de ensino é que estudantes do ensino médio poderá ser assistido se os mesmo trabalharem, ou seja, além de estar no mercado de trabalho, o que nos dias de hoje não é possível, já que o índice de desemprego já passa dos 12,7% em todo o país, estando fora do mercado de trabalho não apenas os adultos entre os 30 à 50 anos, como, e principalmente, os jovens que estão em começo de carreira que ainda não tem um registro sequer na carteira, e que não tem possibilidade de encaixar-se num emprego.

Como o ensino médio passará à ser pago e não mais bancado pelo governo federal e nem estadual, restarão aos pais arrumarem condições para manterem seus filhos nas escolas públicas, pagando. O que quer dizer que aqueles pais e mães que não tiverem dinheiro para pagar mensalidade de seus filhos não terão como tê-los em salas de aula, num ambiente que antes era gratuito. Ou melhor dizendo, quase gratuito, uma vez que para quem paga imposto está automaticamente pagando também por uma vaga de seus filhos nas salas de aula. A partir de agora, essa possibilidade não será mais possível, já que essa garantia, antes dada pelo governo, agora está sendo retirada.

Para saber mais do que estou falando nesta publicação aconselho que os amigos e amigas dêem uma olhada, apurada, lendo cuidadosamente o texto da nova lei clicando aqui e baixando em seus celulares, tabletes e computadores, para análise assim que tiverem tempo disponível.


O que teremos pela frente, possivelmente, será uma lista de analfabetos funcionais e semi analfabetos reais, fora das salas de aulas, desempregados, ás custas de uma sociedade que os julgará pelo simples fato de eles ou elas estarem sem estudar, além de outros fatores que é mais aconselhável refletirmos do que julgar antecipadamente.

Estamos retrocedendo no tempo seja à nível educacional, seja em nível profissional em nosso país, e seja ainda á nível de jurisprudência.

A Rede Globo de televisão e alguns canais ligados ao governo, por terem altas concessões estão fazendo a boa propaganda incutindo na mente de alguns, principalmente na "moçada" que eles e elas estarão livre para escolherem as aulas que deverão ser lecionadas.

A realidade, bem diferente, está distante da fantasia que está sendo vendida pelas mídias tradicionais e recebida por milhares de pessoas como sendo uma "benesse do governo", quando na verdade o grande plano é mantê-los doutrinariamente presos ás novas regras de desinformação e planos que visam escravisar um povo que estava começando à libertar-se das amarras da ignorância.