29 outubro 2017

Noticias falsas são compartilhadas como verdadeiras nas redes sociais por quem é preguiçoso e não consulta as fontes das "informações".

Como geralmente você se porta nas redes sociais quando pretende se referir à seus adversários, principalmente os políticos? Você é do estilo de compartilhar qualquer coisa que digam de seu "inimigos", sem consultar a veracidade por trás daquela informação e, na grande maioria das vezes, mesmo sabendo que tudo não passa de uma mentira continua à manter a mesma só com único fim de "destruir" a imagem de quem, segundo você, não merece estar naquele cargo?

Se você é desse estilo, não se apavore e nem entre em pânico. Você não está sozinho e nem sozinha nessa empreitada. Milhares de pessoas, com o uso das redes sociais, todos os dias compartilham textos ou imagens, com "notícias" que são passadas como verdade, mas que são mentira. São os chamados "maria-vai-com-as-outras" das redes sociais.

Se você odeia Lula, por exemplo, e participa da campanha acirrada de ódio que a grande mídia prega, facilmente aceitará tudo o que disserem contra ele. Tudo mesmo. Até mesmo as mentiras descabidas que são derrubadas num simples piscar de olhos se você tiver o bom senso de consultar a fonte.

Se você não gosta de Temer, de Aécio, de Bolsonaro e vier á achar qualquer faísca de ódio nas redes sociais, com certeza vai postar, ou melhor, vai compartilhar em todas as suas redes as mentiras ventiladas como verdades. Afinal, "a turma de direita tem que sentir na pele o quanto eu odeio essa raça" poderá dizer você. 

"Os esquerdopatas vão sofrer no mármore do fogo do inferno. Vou postar no meu twitter, facebook, instagram, snap, whatsapp, e nas esquinas de minha casa tudo o que se referir à eles que é para que quem os veja não queira mais saber dessa raça que merece estar no esgoto". certamente essa é a fala dos de direita brasileira.

Outro dia eu vi uma amiga de minha cidade compartilhar nos principais grupos que fazemos parte uma "nota" informando que o Deputado Federal Jean Willys tenta aprovar uma lei em que o chifre, gaia ou traição, como queira chamar, tem que ser passível de perdão e indenização. A notícia, postada num desses sites sensacionalistas, que ama tirar sarro com tudo e com todos, tem o formado de sua página como séria, mas tudo não passa de sacanagem ou brincadeira. 

Dentre esses, podemos apontar o site SENSACIONALISTA. Um site de humor negro assim como era antigamente o grupo CASSETA&PLANETA. Como ele próprio diz em sua chamada "isento de verdade".


Foi neste mesmo canal que encontramos uma das cenas mais intrigantes e bizarras no cenário brasileiro. O site publicou uma matéria intitulada Bancada gay lança projeto de lei para proibir casamento de evangélicos. Um pastor resolveu compartilhar à partir de seu canal de informações tal nota como sendo verdadeira levando seus seguidores e leitores (nem todo leitor é seguidor) á acreditar em tal mentira como sendo verdade. O número de compartilhamento por mentiras como estas espalham-se mais do que rajada de balas em guerra. 

O deputado Jean entrou em contato com o Pastor informando sobre a notícia falsa, bem como o lado humorístico do portal. Mas não foi ouvido.

Jean disse ter sido ameaçado de morte por religiosos que acreditaram numa notícia do Sensacionalista. A notícia fictícia “Bancada gay lança projeto de lei para proibir casamento evangélico” foi reproduzida pelo site da Rede Promessa como se fosse real e gerou protestos na comunidade religiosa, além de ser replicada em dezenas de sites evangélicos. O deputado disse que alertou o site evangélico mas esse, apesar do aviso, republicou a “reportagem” três vezes. Jean decidiu dar queixa na Polícia Federal.

A denúncia contra o pastor Davi Morgado, da Rede Promessa, foi protocolada na Polícia Federal, segundo o deputado. Em seu perfil no Facebook, Jean escreveu que ” A matéria foi criada (…) a fim de demonstrar quão ridícula é a interferência da bancada fundamentalista em um assunto exclusivamente de âmbito civil.”


Mesmo alertado o pastor manteve a mentira, o que levou o Deputado á protocolar ação contra o site, consequentemente, contra o pastor.

O site GospelMais.com.br publicou que "o compartilhamento de um texto fictício como se fosse real sobre o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) e seus aliados na militância homossexual rendeu uma queixa à Polícia Federal por parte do parlamentar contra o pastor que republicou o texto".

Estamos falando aqui de um caso acontecido no ano de 2014 de um dos sites de humor negro mais visto no Brasil de uma situação que já foi resolvida, mas que por alguma infeliz razão ainda é compartilhada por desavisados nos dias de hoje.

Outras tantas mentiras estão e certamente continuarão à ser espalhadas virtualmente por pessoas que além de destilar ódio contra os que eles consideram seus desafetos tratarão de continuar agredindo tanto a bancada do Pt, Psol, Pmdb, Psdb, não importando o partido pelo simples fato de não ter coragem de pesquisar se as fontes são dignas de credibilidade ou não.

Informações como Kit Gay, Ideologia de Gênero e demais outras vão sendo espalhadas infelizmente, por pessoas que deveriam pautar pela honestidade, sejam eles padres, pastores, pessoas comuns, líderes de comunidade, etc... o fel das más intenções estão por aí, espalhadas nos quatro cantos do mundo virtual.

Há, porém um caso interessante, apesar de tudo. Depois, de alguma forma, quando a pessoa que recebeu a informação resolve consultar as fontes e percebe que o que fora postado por aquele senhor ou senhora que devia privar da moral não é verdade a coisa se inverte. O acusado passa à ser visto com bons olhos. E aquele que espalhou a noticia falsa fica queimado, em redes sociais, passando à não gozar da confiança que antes gozava.

Portanto, gente, é bom prestar atenção não apenas no que postamos em nossos portais, como ainda, nas "informações" que compartilhamos em nossas redes sociais. Uma mentira, para se espalhar, é rapidinho com a força do vento e pode destruir vidas num piscar de olhos.