01 setembro 2017

Sob comando do Vereador Mauro da Guarda sessões na Câmara Municipal de São José da Coroa Grande são suspensas todas as sextas-feiras.

Uma Câmara Municipal é constituída pelos vereadores que a compõem e que por sua vez são eleitos como representantes de um município para fiscalizar a administração pública e legislar à favor daqueles que lhes confiaram os votos pelo curto período de quatro anos, conforme legislação vigente. Pelo menos esta é a ideia para toda e qualquer cidade do Brasil.

Sentado ao centro o Vereador e Presidente da Câmara de Vereadores Mauro dos Anjos impede mais uma vez que a leitura da ata do dia 16 de junho seja lida em sessão, que termina, mais uma vez, sem conclusão.

Na cidade de São José da Coroa Grande, porém, alguns vereadores parecem ter esquecido esse princípio básico e tem agido, pelo menos uma minoria dos 11 legisladores, como se meninos fossem, discutindo, semanalmente em função de uma ata que tem causado dor de cabeça tanto à quem se interessa de ir à casa legislativa, quanto aos demais munícipes que estão entendendo como uma palhaçada o que se passa todas as sextas-feiras.

Beto do Abreu (segundo da direita para esquerda) eleito presidente da câmara para o segundo biênio.

Depois de uma votação para composição da chapa que lideraria o segundo biênio de presidência na Casa Amaro Lacerda, em São José da Coroa Grande, em que o novo presidente eleito seria o vereador Beto do Abreu, o então atual presidente Mauro dos Anjos, desgostoso do resultado (por que ele pretendia ganhar mais dois anos pela frente e não ganhou) tem tentado, desde o ultimo dia 16 de junho deste ano, barrar a votação que não o reelegeu descartando a leitura da ata da reunião que foi escolhido o novo presidente.

Nas semanas seguintes, depois da sessão da eleição presidencial da câmara, tem havido brigas, discussões, trocada de farpas e até duras ameaças de uma bancada de vereadores contra outra, impossibilitando qualquer tipo de acordo, e nem havendo sessões.

Na reunião desta ultima sexta-feira, dia 01 de Setembro, mais um bate boca entre os vereadores serviu como palco para mais uma finalização de sessão sem que a mesma seja completada, como seria o esperado.

Populares dizem-se indignado com o andar da carruagem e alguns afirmam-se envergonhados com os dois lados das bancadas de vereadores pelo que vem acontecendo.

Sessões na câmara tem sido palco de vexames, semanalmente, em São José da Coroa Grande.

Nesta ultima noite, dia 01, segundo audios e vídeos de populares espalhados em grupos de no aplicativo do Whatsapp, presentes àquela sessão, a Vereadora Enilde teria agredido verbalmente o vereador Julio Veras.
Ver a vereadora chamar o companheiro de trabalho de "VELHO" e ainda por cima perguntar se as "GAIAS" estavam coçando. Sinceramente, São José da Coroa Grande está bem representada. (Edvaldo Junior no Grupo Pé de Mandarcarú)
Já um outro vereador teria citado em áudio, igualmente espalhados em redes sociais e afirmado que o presidente da casa teria falsificado certo documento em que teria empregado uma mulher à câmara em que supostamente a mesma teria salário de mais de três mil reais, em que inclusive, consta a assinatura do Mauro dos Anjos, quando a bem da verdade a mesma não teria nenhum cargo empregatício na casa, segundo está sendo apurado judicialmente.

Pelo que a cidade de São José pode observar, por esses dias, essa composição de vereadores eleitos para o mandato de 2017 - 2020, não parece ter sido uma fórmula positiva de representação popular. Não podemos citar todos, nem generalizar, mas infelizmente, quando o poder sobe à cabeça de alguns que não sabem administrar nada à sua frente, todas as vezes que se prova melado...

Não se sabe até quando essa resenha de meninos amarelos na Casa Amaro Lacerda vai continuar, mas depois de quase dois meses e picuinhas, de ídas e voltas, tá na hora, acredito eu, de dar uma parada nessa pouca vergonha que tem se tornado as reuniões, ou melhor dizendo, falta de sessões, na Câmara Municipal de São José da Coroa Grande.