09 novembro 2017

Coronel Mario Cavalcanti, que chamou barreirenses de criminosos e invasores, é um dos alvos da operação TORRENTES da Polícia Federal.

O ano de 2010, foi para os barreirenses uma das piores fases de suas vidas. Centenas de famílias e milhares de pessoas tiveram o desprazer de verem suas casas invadidas pelas águas por uma enchente que, principalmente nos dias de hoje, é vista como criminosa. Apesar de quererem colocar a culpa, só e unicamente, na natureza (que não ganha dinheiro com a tragédia popular). Os dias, após este evento marcante, foram de completo teatro por parte dos principais políticos e aspirantes à política às custas da dor alheia.

Sob o comando do governo do PT, Tendo à frente a ex-presidente Dilma Rousseff, foi liberado para Pernambuco e o estado de Alagoas mais de 50 bilhões de reais para a "Operação Reconstrução".

A cidade de Barreiros foi uma das cidades contempladas. Eduardo Campos, á época ainda governador, veio de helicóptero à nossa cidade, acompanhado do então, Coronel Mario Cavalcanti, chefe da Casa Civil de Pernambuco anunciar a reconstrução da cidade, graças ao investimento feito pelo governo federal, em parceria com o governo do estado.

Depois de muito desespero e agonia, a equipe do Chefe da Casa Civil, fez um levantamento das possíveis áreas de risco em nossa cidade, e após tal levantamento foi anunciado por Mario Cavalcanti e a Promotoria do município, em documento assinado por eles, bem como, depois, em fala na Radio Litoral FM a informação, por parte deles que os barreirenses eram INVASORES E CRIMINOSOS, deixando os populares em geral, chocados com a forma que fomos todos, tratados.

Passaram-se sete anos, e mais uma enchente aconteceu. As cidades, em sua grande maioria, recebe, de novo, uma nova enchente. O governo do estado que tinha prazo, não construiu todas as barragens, cujas verbas estavam em conta. Usaram depois a desculpa de que faltou verba (mesmo já tendo entrado em conta) e possível não planejamento.

Com novas enchentes, mais dinheiro fora pedido e conseguido dos cofres públicos para financiamento de mais "obras" para mais uma reconstrução, supostamente à favor do povo sofrido que, em sua grande maioria, não conseguiram o que lhes fora prometido.

Hoje, dia 09 de novembro, recebemos a informação de que o Coronel Mario Cavalcanti, que chamou os barreirenses de criminosos e invasores, está entre os CRIMINOSOS e FRAUDADORES do dinheiro público, recebendo contra si a denuncia de envolvimento de forte esquema que roubava dos cofres públicos em licitações.

Ele era o chefe da Casa Militar em 2010, quando segundo a Polícia Federal, aconteceram fraudes em contratos e licitações da chamada 'Operação Reconstrução', que prestou assistência às vítimas das enchentes que devastaram diversos municípios da mata-sul pernambucana naquele ano
Em nota no G1, foi apontado que "o ex-secretário da Casa Militar de Pernambuco coronel Mário Cavalcanti, que trabalhou com o ex-governador Eduardo Campos, que morreu em um acidente de avião em 2014" é um dos envolvidos em esquema de corrupção, usando como pano de fundos pra suas falcatruas as enchentes de 2010 e recentemente 2017.

Nós, os barreirenses, povo que luta e sofre a cada esquema que os governantes fazem, temos a honestidade de agir dia e noite de cara limpa. Mas, e agora, Coronel Mario Cavalcanti, do que o senhor pode ser chamado? Certamente de honesto e cidadão de bem, é que não, já que seu nome está listado entre os fraudadores e criminosos que usurpavam, até pouco tempo, da corrupção, à base do sofrimento alheio.

INFORMAÇÃO DO PORTAL LEIA JÁ - O coronel Mário Cavalcanti é um dos alvos de Operação Torrentes, deflagrada nesta quinta-feira (9), pela Polícia Federal (PF) de Pernambuco. Ele foi chefe da Casa Militar entre os anos de 2007 e 2015, quando deixou o cargo para assumir a intervenção estadual em Gravatá, no Agreste do Estado. Além dele, o ex-comandante da Polícia Militar, Coronel Carlos D'Albuquerque, também está entre os alvos. Contra eles foram cumpridos mandados de condução coercitiva expedidos pela Justiça.

A operação policial foca na desarticulação de um esquema criminoso de desvio de recursos públicos, fraudes em licitações e corrupção de servidores públicos vinculados à Casa Militar durante a chamada “Operação Reconstrução”, criada para assistência às vítimas das enchentes que devastaram diversos municípios da mata-sul pernambucana em junho de 2010.

Também foram verificados indícios de superfaturamentos e inexecução de contratos. A PF está em dez estados (PE, PB, MT, RO, AL, MA, RN, RR, AP, SE) cumprindo 71 mandados judiciais, sendo 36 de busca e apreensão, 15 de prisão temporária e 20 de condução coercitiva em Pernambuco e no Pará.

De acordo com a PF, todos os alvos serão levados para a sede da instituição em Pernambuco. Todos os presos serão interrogados e dependendo do seu grau de participação e envolvimento responderão pelos crimes de peculato, fraude em licitação, corrupção ativa e passiva e associação criminosa, cujas penas ultrapassam os 25 anos de reclusão. Após serem ouvidos todos serão encaminhados para fazer exame de corpo de delito e compareceram à audiência de custódia e caso seja ratificada suas prisões os civis serão encaminhados para o Cotel e Colônia Penal Feminina e os militares para uma instituição designada pelo Comando da Polícia Militar de Pernambuco.

Os prejuízos aos cofres públicos ainda estão sendo contabilizados porque a Casa Militar à despeito de várias solicitações feitas pela Controladoria-Geral da União, não havia encaminhado os comprovantes de despesas que são essenciais para efetuar o respectivo levantamento.

Importante ainda frisar, que não foi falado nos principais jornais, é que este senhor e os demais envolvidos, são parceiros e integrantes do PSB de Pernambuco do falecido Eduardo Campos, do atual Prefeito do Recife Geraldo Júlio e do governador Paulo Câmara que sempre atuam ou atuavam, em igual conhecimento e parceria.

E nós, barreirenses, é quem eram os criminosos, hein, senhor Coronel Mario Cavalcanti!?