26 fevereiro 2018

Em Pernambuco opor-se à candidatura de Marilia Arraes é estar contra o poder da mulher e contra mudanças reais em nosso estado.

Lula e Marília Arraes
Nestes últimos tempos encontramos aqueles que dizem-se "progressistas e à favor do futuro, do desenvolvimento, etc"... no entanto, essas falácias, partindo daqueles que estão acostumados à ter apenas uma linha única de pensamento quando veem a oportunidade de mudança no cenário político dão com os burros n'agua mostrando-se, muitos deles serem retrógradas, e no caso nos homens, machistas de tal natureza que preferem aliarem-se a um grupo existente de políticos incompatíveis com o desejo de transformação para nosso estado.

Em Pernambuco não há alternância de poder há muitos anos. Temos, ao cabo dos tempos uma oligarquia implantada que troca-se de uma para outra mão, não havendo muita diferença no quadro dos representantes, à frente do governo.

A partir deste ano de 2018 o pernambucano pode fazer a diferença optando por uma representante para gerenciar e cuidar das contas públicas de nosso estado.

Possivelmente, com uma mulher à frente do governo, tenha-se uma visão mais apurada sobre a realidade do povo nordestino que há muitos anos está desamparado pelo poder público em todos o sentidos.


Marilia Arraes e Lula em Fevereiro de 2016.
Marilia Arraes, atualmente uma das fortes integrantes do Partido dos Trabalhadores no estado pernambucano representa o novo que precisa ser implantado em nossas bases administrativas.

Opor-se à sua candidatura, além de não parecer inteligente, mostra o quanto muitos que se colocam contra estão aquém do que dizem, em suas falácias de progresso e desenvolvimento.

Parafraseando a Rede Globo de Televisão, afinal de contas "que Pernambuco você quer para o futuro?".

Quais são e onde estão os homens que querem o melhor, de verdade, para nosso estado pernambucano, sem frescura, sem partidarismo, sem covardia?