22 abril 2016

Pastor Marco Feliciano lança campanha de impeachment contra Jean Willys via Whatsapp e ainda afirma em sua conta no Twitter que vai ter golpe, sim.

Marcos Feliano faz campanha via Whatsapp contra Jean Willys
No final de noite de ontem, 21 de Abril, recebi a seguinte nota, oriunda do número (19) 98193 0320, cujo perfil tinha a mesma imagem conforme postado acima, atribuido ao Pastor Protestante e Deputado Federal, Marco Feliciano (PSC).

- "Impeachiment em Jean Wyllys" recebida via Whatsapp do mesmo número citado acima.

Quando resolvi perguntar quem era vi que se tratava de imagem atribuída ao Deputado Federal, reconhecidamente homofóbico, o Pastor Protestante Marco Feliciano, que todos sabem ter preconceito de raça, classe e sexo.

Na pergunta que lhe fiz, não obtive resposta. Depois de ter constatado de quem se tratava, resolvo responder: "impeachiment contra a homofobia". Daí então o número atribuído ao Pastor me bloqueia passando à ficar invisível para mim na mesma rede sociais que o mesmo teria entrado em contato comigo.

Resolvi então ir à página no Twitter do Pastor homofóbico, e encontro a seguinte frase em que o mesmo diz, segundo consta em seu perfil pessoal que "vai ter golpe, sim". O que ficam bem claras as intenções do Pastor favorável ao impeachiment e que tem usado, durante anos, suas redes sociais para declarar e espalhar ódio contra os movimentos LGBT's, e outros movimentos sociais e de classe.


Para que o nobre Deputado use suas redes sociais com artifícios mesquinhos e chulos, desta forma, é sinal de que deve estar precisando, e muito, de se fazer uma limpeza não apenas no congresso e parlamento brasileiro, como ainda, nas igrejas e templos religiosos, extraindo aqueles que usam e abusam de laços ditos cristãos com o fim da implantação do ódio, preconceito e outros conceitos, contra quem quer que seja, em nome do Jesus, que dizem amar.

No entanto, ainda pode-se ter a ressalva de que tanto o perfil do Twitter ou no Whatsapp, possivelmente, não ser dele, já que em se falando de perfis falsos nas redes sociais, tudo pode acontecer com os ditos Fakes. Porém, ante os fatos anteriores, já construído, de perseguição e ações do mesmo pastor em questão, bem pouco provável que não seja ele, à usar os meios acima para atingir fins inglórios.