29 junho 2014

Sobre ser espírita e viver neste planeta

Todas as semanas, quando resolvo escrever aos domingos, tenho uma vontade enorme de falar de duas coisas: o que eu penso da vida enquanto ser humano e o que penso no mundo enquanto espírita.

Duas ações não muito fáceis.

Falar de mim e o que penso com relação ao mundo, talvez não seja tão simples como se imagina. Sim, porque acima de tudo temos que ser honestos, não apenas com quem vai ler nossas linhas, mas acima de tudo, consigo mesmo. Afinal de contas chegará um momento da vida em que vamos parar (nós blogueiros fazemos isso com certa frequência) e vamos ler o que já escrevemos lá atrás. Isso pode ser positivo. Ou não! As vezes são mais negativas as conquistas com nossas letras do que positivas. Sim, porque é bem sabido que com o tempo suas perspectivas vão mudando e o que antes era cem por cento verdade já não pode ser hoje e amanhã., indubitavelmente, você poderá ter uma noção completamente diferente do que hoje acredita.

Somos seres humanos, pensantes nessa grande jornada chamada vida!

Por outro lado, o que eu penso da vida, no mundo, enquanto espírita? Será que aí, o ponto não seria um caminho mais fácil para engajar uma nova caminhada na blogosfera? Não sei! Sinceramente, ainda não sei.

Mas o fato, gente que me acompanha, é que ando um tanto refletivo por esses dias sobre um monte de coisas. Nada de mais, claro, mas são pensamentos que me rondam, sempre.

É bem sabido que meu blog, de pessoal, passou à ser um blog com pensamento e ideologia política. A visão que tenho das coisas ao meu redor, e em especial sobre minha cidade tem causado boa repercussão de uns tempos para cá. E, por mais que não queira, hoje tenho um papel importante em minha cidade. Por mais que tenha começado apenas com críticas contra gestões anteriores, desembocando para essa.

A realidade é que não consigo olhar algo e simplesmente ficar calado, quando sei que uma opinião minha pode fazer algo. E não é pelo fato de ser uma opinião do Ed Soares, o blogueiro mais visível de minha cidade e região. Mas é que, da forma que se colocam as palavras as vezes, pode fazer com que outros e outras se mexam e abram os olhos do que vem acontecendo ao seu redor.

Uma revolução silenciosa está se formando em minha cidade, virtualmente falando, e isso me deixa orgulhoso.

Ver as pessoas falarem, mostrarem-se, rebelarem-se virtualmente sobre o que lhes está afetando, me deixa deveras orgulhoso!

Poucos estão percebendo essa transformação! Mas, está acontecendo!

Como puderam perceber, não dá pra falar de uma coisa, (vida pessoal ou espiritismo) sem tocar em outros assuntos, como a politica, vida social, redes sociais e blogosfera. Tudo está interligado.

Outro dia, estava lendo umas linhas por parte de um espírita e o mesmo falava, ou melhor, conclamava aos espíritas que atentassem para a realidade à sua volta, uma vez que também somos responsáveis pelas emanações e ações para um planeta melhor. 

Alguns, de maneira até covardes, podem alegar que o religioso, (protestante, católico, espirita ou outros) não deveriam misturar-se com a política. Cada um com seu conceito, mesquinho. São seus conceitos.

E eu pergunto: onde fica a questão social pregada pela doutrina dos espíritos, nos mostrando, por sinal, que somos co-responsáveis pelo que acontece à nossa volta?

Um filósofo falou certa feita que o que incomoda não é a ação do mau, mas a omissão dos bons.

Hoje, mais do que nunca, penso que somos sim, participantes de uma grande obra, que vai além de nossa mera capacidade humana de atuar sobre a vida.

Talvez amanhã quando este blogueiro tiver cruzado a linha da vida maior, outros se dêem conta do que hoje eu falo.

Estamos vivendo um momento de liberdade e muitos ainda estão querendo viver sob as amarras de conceitos religiosos mesquinhos e retrogradas. Dentro mesmo da doutrina dos espíritos, ainda tem gente que age como se fosse protestante ou católico, trazendo para cá, conceitos que já estão em desuso pela própria evolução. Muitos, mesmo sabendo e conhecendo, dentro da casa espírita, da TRANSIÇÃO PLANETÁRIA, ainda anda como se vivêssemos nos tempos medievais. 

Outro dia me deparei com uma postagem no facebook, por parte de uma espírita, com atuação dentro de um centro espírita à mais de 15 anos, em que a mesma nos alertava sobre os "pecados da carne". Da forma que ela colocou parecia até que ao invés dela ser espírita, era testemunha de jeová. Nada contra nossos irmãos de outros credos, principalmente os do Salão do Reino, mas tem coisas que não bate mais para os dias atuais.

Viram como as coisas são? Um assunto leva à outro, que chama outro e assim, as linhas de hoje que eu pensei serem de pouco espaço, tomou isso tudo, num domingão gostoso.

Não sei como será a mensagem ou a forma de escrever amanhã. Mas, pretendo, se a espiritualidade maior, assim permitir, no domingo seguinte, trazer algo sobre a doutrina dos espíritos, tal qual estou tentando conhecer à pouco mais de 18 anos, e que ainda não consegui aprender nem 5% de todo o cabedal de conhecimento que Allan Kardec nos trouxe.