16 maio 2014

Antes da greve dos PM's em Pernambuco Eduardo Campos tinha festejado a segurança em nosso estado.

Na véspera da greve, em discurso para uma platéia de estudantes, na cidade baiana de Vitória da Conquista, o presidenciável Eduardo Campos (PSB) jactou-se na última segunda-feira dos êxitos que obteve como governador de Pernambuco na área de segurança pública (ouça abaixo). Ele disse que a polícia pernambucana passou a ser “gerida com autoridade” e “com planejamento”. Por isso, a violência “não estourou” no Estado. Menos de 24 horas depois desse discurso, estourou a greve da PM de Pernambuco, que espalhou  violência  pela capital, Recife, desde terça-feira.

Na sua passagem pela Bahia, Eduardo Campos estava acompanhado das candidatas do PSB ao governo do Estado, a senadora Lídice da Mata, e ao Senado, a ex-ministra do STJ Eliana Calmon. Ele fez críticas duríssimas ao governo Dilma Rousseff, inclusive na área de segurança. Disse que “a União fica de costas” para os problemas: “No ano passado, passou R$ 300 milhões para todos os Estados da federação. Absolutamente nada!”, declarou. Bateu também na Polícia Federal, que não consegue deter a entrada de armas e drogas no país. As fronteiras estão “escancaradas”, afirmou.

Foi nesse contexto, que Campos mencionou Pernambuco como contraponto positivo. “A violência estourou no Brasil e no Nordeste inteiro”, disse. “Por que lá em Pernambuco não estourou? Por que é o único Estado que, em sete anos ininterruptos caiu a violência? Por que nós fomos premiados pela ONU? [Por que] nós, que éramos a capital mais violenta do Nordeste, o Recife, hoje é a mais segura? Porque teve trabalho. Não deixamos interferência política nas polícias. Fizemos um plano de policia chamado Pacto pela Vida, com prevenção social…

Em Pernambuco, disse o ex-governador, a política vem “sendo gerida com autoridade, com planejamento, trocando a força pela inteligência. Fizemos um programa de governo na segurança pública que fez avançar a sensação de segurança nos quatro cantos do Estado.”

Nesta quinta-feira (15), num instante em que Pernambuco teve de recorrer ao Exército e à Força Nacional para conter a violência, Eduardo Campos reposicionou-se em cena. Divulgou uma declaração que inclui um apelo à sensatez. “A hora agora é de bom senso, de lutarmos juntos por melhores salários, sem contudo deixar a sociedade pernambucana no medo e na insegurança. A melhor solução virá do diálogo e do respeito às leis. É o que todos queremos”, declarou.
As informações são do Blog do Magno Martins.

Enquanto isso...

Enquanto estava estourando a greve dos PM's, com diversos saques em nosso estado, por pura incompetência do ex governador que deixou toda a bomba nas mãos de João Lyra, quando entregou o estado no dia 05 de abril, já com esse problemão em se falando dos PM's,, Eduardo pousa para fotos, que logo retira das redes sociais, em seu jatinho, "sobrevoando por cima da miséria alheia.
"


Confira essa garfe aérea teclando aqui.