Temos que ser para o outro o nosso melhor, sem nada esperar em troca.

Desde sempre eu ponho minha cabeça no travesseiro, e busco aquela mesma tranquilidade de tempos atrás, quando uma senhora, analfabeta, que buscava me educar de sua maneira, dizendo que "temos que ser para o outro o nosso melhor, sem nada esperar em troca." Parece que esta filosofia dela, infelizmente ficou limitada em poucas mentes, em particular de minha família (Soares de Oliveira) que não aprenderam bem qual o melhor caminho de não ferir o outro, e ao mesmo tempo não ferir-se. Não quero dizer que sou moralista. Longe de mim! Mas nossa mente nos faz relembrar alguns pontos e registrar determinados contos que nos marcam nossas vidas.

Em minha postagem anterior, eu falei de determinado acontecimento em uma instituição educacional, que eu mesmo estudei a tempos atrás. Por conta desta mesma postagem, felizmente fui chamado a me reunir junto ao conselho escolar, responsáveis por aquela mesma, ao qual me colocaram a par de algumas situações, que infelizmente foge do controle de alguns. Nesta mesma postagem de antes, eu falei que alguns desmandos aconteciam. E sinceramente, ainda continuo tendo a mesma ideia, a mesma opinião, o que por sua vez não muda a não ser que algo extremamente externo venha me mostrar o contrário. Mas nesta aqui em particular venho não apenas a falar do caso de antes, bem como ainda, tentar ver se alguém que me lê estas linhas, sendo pais, e se julgando responsáveis, venham a tomar conta de seus filhos, uma vez, que na grande maioria das vezes estes mesmos pais praticamente jogam seus filhos nas escolas e esquecem que educação se estende além das portas de um colégio. O que temos dentro das salas devia ser ato continuo em nossas casas, em nossos momentos de distração, etc...

Nos três casos que eu acompanhei da citada violência escolar, o que infelizmente vemos é que os pais estão esquecidos que seus filhos hoje, estão cada vez mais "plugados" na internet, seguindo influencias externas que vão às ruas. E quando os mesmos estão fora de suas casas, em meio a outras meninas e meninos os requintes de infantilidade, ira, revolta e mágoa, rancor, uma vez que seus pais não lhes estão dando atenção devida, vem à tona e agressão é o sinal característico de que alguma coisa está por demais errada em suas casas. Seguindo este mesmo ponto de vista, quem por sua vez está fora, ou seja, não são parte da família desestruturada, sofrem por não ter controle com estes mesmos jovens, que na ânsia de se mostrarem, fazem verdadeiras loucuras, que amanhã, quando o furor da adolescencia passar, certamente vão olhar para trás e dizer que não fariam nada daquilo, se pudessem.

Fico a pensar comigo o que será de nossos filhos amanhã, quando não mais pudermos conversar com eles? E quanto aos pais e mães destas meninas do vídeo que mostrei anteriormente? Qual atitude tomada por eles quanto as suas filhas, que pelo que rola de comentários, brigaram por ciumes de namoricos bobos. Se bem que não tão bobos assim, uma vez que soubemos ainda que uma das meninas estava até a fazer sexo oral num piá que era da outra guría. Parece até que estou a tratar aqui de assunto a nível policial, mas a realidade é que estou a falar de meninas de seus dez a quinze, no máximo dezessete anos.

O que me preocupa é saber que pessoas que deviam de fato ser responsáveis estão apenas olhando aviesados para seus filhos e filhas e na grande maioria das vezes dizem que eles tem que fazer isso mesmo, e pronto. Como se brigar nas escolas fosse a glória, o ápice do momento. Postar vídeos no YouTube nos dias de hoje, além de ser fácil, trazem aqueles dois ou três minutos de fama, que seguem como mancha para toda uma vida.

Uma das meninas, no vídeo anterior, postou mais outros vídeos, como se isso fosse para alavancar sua "carreira". A meu ver, a mesma está fascinada com a fama, sem saber o que a espera daqui a pouco mais que dois anos pela frente. Usa-se da internet sem saber de seus riscos. Quando esta mesma menina quiser um namorado sério ou mesmo estiver pensando em trabalhar ou coisa parecida, certamente tudo vai ser mais difícil. As mesmas pessoas que supostamente estava ao seu lado pedindo para que ela entrasse na briga, serão as mesmas a apontarem um erro de dois ou três minutos de postagem no YouTube.

A pouco mais de dois ou três anos, quando eu ainda estava em Curitiba, recebi por e-mail um vídeo de uma guria conhecida, fazendo sexo em sua melhor forma, com um rapaz por quem ela sempre foi apaixonada. O mesmo deixou, ou pelo menos permitiu que as imagens deles dois, em quatro paredes vazassem, sendo o mesmo vídeo vendido nas prateleiras da pirataria, deixando-a em maus bocados com a população hipocritamente barreirense, que apenas vê os erros dos outros mas não enxergam seus passos. Como a historia mesma, registra desde tempos antigos. E até mesmo Jesus, o Cristo de Deus diz em um versículo bíblico; hipócritas, tira primeiro a trave que esta em teu olho, e só então cuidarás de tirar o argueiro no olho de teu irmão. Mas, tanto este quanto outros versículos bíblicos viraram apenas citações com o passar dos tempos, e não mais como verdades a serem observadas e levadas à sério.

Ainda penso que esta mais do que na hora de nós, enquanto pais de nossos filhos aprender um tanto mais do que rodeia a mente de nossas crianças. Do contrário eles seguirão aquele refrão da musica do Zeca Pagodinho em que diz; deixa a vida me levar, vida leva eu... Musica está que ao meu ver diz apenas que devemos ser vagabundos no termo pior da questão. E quando nossos valores são trocados tudo tende a ir de mau a pior.

No geral, os filhos de alguns pais e mães estão sendo despachados de suas casas, posto que os mesmos pais dizem-se cansados demais, ou preocupados demais para dar um mínimo de atenção devida. E os mesmos, como não tem o que merecem e precisam em casa vão mostrar-se de forma não agradável seus atos nas ruas. Bom seria, se tivéssemos o prazer de sentar e conversar, trocar uma ideia, assistir um vídeo, ou ver tv, quem sabe até ir para internet com aqueles que sã nossa melhor semente de vida. No entanto, fica mais fácil deixar que eles sigam para a net, e permitimos assim, que um computador, sem sentimento algum guie a mente destes meninos e meninas que estão a crescer e nada sabem dos reais valores de vida.

Volto a perguntar, como na postagem anterior; aonde e com quem está a responsabilidade de nossos filhos, em sua existência neste período de transição em que ora nos encontramos?

Quem é o responsável ou culpado pelos erros e acertos?

Repito ainda a frase de uma velhinha que sem saber ler me ensinou que "Temos que ser para o outro o nosso melhor, sem nada esperar em troca."



Pensemos nisso!!!

Edmilson Soares de Oliveira em Barreiros - PE, aos 22 de Abril de 2011.